Câmara do DF recorre contra decisão que afasta Prudente

Juiz estipulou multa de R$ 100 mil por dia caso o deputado distrital não cumpra a decisão

Carol Pires, da Agência Estado,

19 de janeiro de 2010 | 15h47

A procuradoria da Câmara Legislativa do Distrito Federal (DF) recorreu nesta terça-feira, 19, ao Tribunal de Justiça do DF contra a decisão do juiz Álvaro Ciarlini, da 2ª Vara de Fazenda, de afastar o deputado distrital Leonardo Prudente (ex-DEM) do comando da Casa.

 

Veja também:

linkToledo fica em silêncio durante depoimento para PF

linkPF discute com CPI depoimento de pivô de crise no DF

linkJuiz afasta deputado da meia de comando da Câmara do DF

linkPerito diz que é de Arruda letra em papel de partilha

 

Prudente é o deputado flagrado, em vídeo anexado ao inquérito da Operação Caixa de Pandora, guardando dinheiro de um suposto esquema de propina nas meias. Além dele, nove deputados distritais (sendo dois suplentes atualmente fora do cargo) são citados no inquérito como beneficiários do esquema que teria o governador José Roberto Arruda (ex-DEM) como chefe. O juiz estipulou multa de R$ 100 mil por dia caso Prudente não cumpra a decisão.

 

"É indispensável que o Poder Judiciário se posicione, neste momento, com firmeza e assertividade sobre esses fatos que, se verdadeiros, podem ser considerados uma verdadeira tragédia imposta pela virtual (e ainda não cabalmente comprovada) irresponsabilidade, egoísmo e absoluta ausência de civismo das partes virtualmente implicadas nesses tristes episódios", afirma o juiz Álvaro Ciarlini no despacho.

 

A assessoria de imprensa de Leonardo Prudente informou que o deputado ainda não foi notificado sobre a decisão do TJ-DF de afastá-lo do cargo. Ontem, por meio de sua assessora, Prudente disse que "decisão da Justiça não se comenta, se cumpre".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.