Câmara do DF convoca CPI da Corrupção e entra em recesso

Instalação da CPI e de comissão que irão analisar o afastamento do governador e de deputados fica para janeiro

Ricardo Valota, do estadao.com.br,

16 de dezembro de 2009 | 05h28

Deputados da base governista e da oposição da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLFD) decidiram, nesta quarta-feira, 16, instalar, em convocação extraordinária que terá início em 11 de janeiro de 2010, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigará denúncias de corrupção no DF desde 1991, e a comissão especial que analisará os pedidos de impeachment contra o governador José Roberto Arruda (sem partido) por crime de responsabilidade.

 

Veja Também

blog BOSCO: Aliados de Arruda são maioria na CPI da Corrupção

link Manifestantes são retirados e Câmara retoma sessão no DF

linkOAB-DF pede cassação de dois distritais citados em mensalão

link PF adia entrega de relatório da Caixa de Pandora ao STJ

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o mensalão do DEM

 

Na convocação, que segundo os deputados não terá gastos extras para os cofres públicos, serão escolhidos o presidente e o relator da comissão de investigação e será definida a nova composição para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O anúncio da convocação extraordinária foi feito pelo presidente em exercício da Câmara Legislativa, deputado Cabo Patrício (PT).

 

A sessão foi encerrada às 3 horas desta quarta-feira. Também foi definida hoje a composição da CPI, que terá como titulares os deputados Alírio Neto (PPS), Batista das Cooperativas (PRP), Paulo Tadeu (PT), Raimundo Ribeiro (PSDB) e Eliana Pedrosa (DEM). Os suplentes da CPI são os deputados Benício Tavares (PMDB), Wilson Lima (PR), Chico Leite (PT), Cristiano Araújo (PTB) e Paulo Roriz (DEM). A maioria dos membros da CPI fazem parte da tropa de choque do governo Arruda.

 

A proposta de orçamento para 2010 também foi votada na madrugada desta quarta-feira.

 

Com as movimentações na calada da noite, a Câmara Legislativa entra oficialmente em recesso parlamentar a partir desta quarta-feira.

 

As informações sobre o chamado mensalão do DEM vieram à tona com a Operação Caixa de Pandora, deflagrada em 27 de novembro. No inquérito, o governador José Roberto Arruda é apontado como o comandante de um esquema de distribuição de propina a deputados distritais e aliados.

Tudo o que sabemos sobre:
ArrudaDFimpeachment

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.