Câmara do DF arquiva pedidos de impeachment contra Agnelo

Parlamentares da base aliada foram acionados pelo Planalto para proteger o governador

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2011 | 20h19

BRASÍLIA - Com aval do Palácio do Planalto, foi desencadeada uma operação de socorro ao governador Agnelo Queiroz (PT-DF), alvo de denúncias de recebimento de propina quando foi ministro do Esporte (2003-2006) e diretor da Anvisa (2007-2010).

 

Sob fogo cerrado há mais de um mês, Agnelo retraiu-se no início da crise e foi aconselhado a cancelar a comemoração do aniversário na quarta-feira à noite. No entanto, animado com os primeiros resultados da blindagem, resolveu reagir. Em nível doméstico, o socorro lhe foi garantido pelos 14 partidos da base aliada, do PT, PC do B e PSB, aos PMDB, PTB e PP, além de nanicos como PHS, PRP e PSL.

 

No auge da crise, há duas semanas, nada menos que 19 dos 24 deputados distritais assinaram um manifesto de apoio irrestrito ao governador. O documento, intitulado "Em defesa do governo e da governabilidade", atribui as denúncias a uma tentativa de golpe da oposição. A tradução desse gesto é que não passa nada no Legislativo que crie embaraços ao governador.

 

Isso ficou claro na última quarta-feira, quando a Câmara Legislativa rejeitou cinco requerimentos pedindo instalação de CPI e abertura de processo de impeachment. Caíram por terra até requerimentos pedindo a mera convocação de acusadores para depor, entre os quais o lobista Daniel Tavares, que afirmou - e depois negou - ter pago propina a Agnelo durante cinco anos.

 

Nem mesmo o extrato de uma suposta propina de R$ 5 mil, depositada por Tavares na conta de Agnelo, convenceu o parlamento do DF a abrir investigação. "As denúncias partem de adversários que sucumbiram no submundo da política", justificou o deputado Wasny de Roure, líder do PT na Câmara Legislativa. "Cabe à Procuradoria-Geral da República investigar, não a nós", completou Cláudio Abrantes (PPS).

 

Tranquilizado. A posição adotada pela Casa, segundo os parlamentares, é só agir depois do resultado das investigações. Algumas horas antes da festa, Agnelo teve conversa decisiva com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo - e saiu certo de que a conversa foi tranquilizadora.

 

No cenário nacional, a operação pró-Agnelo conta com pesos pesados como o ex-ministro José Dirceu e o presidente do partido, Rui Falcão. Na retaguarda, pelo secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

 

A iniciativa também está dando certo. Na última terça-feira, a Câmara dos Deputados rejeitou um requerimento de convocação de Agnelo para depor na Comissão de Fiscalização e Controle. A justificativa para essa posição, segundo Eduardo Cunha (PMDB-RJ): a Câmara "não é lugar para tratar de briga paroquial". Cunha articulou a ajuda federal, a pedido do vice-governador Tadeu Filippelli, presidente do partido no DF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.