Câmara discutiu 13 projetos em 19 anos e nenhum saiu do papel

Sete das propostas de regulamentação de greve no funcionalismo foram arquivadas e 6 tramitam até hoje

Eugênia Lopes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

26 Outubro 2007 | 00h00

Prevista na Constituição de 1988, a regulamentação do direito de greve do servidor público foi alvo de 13 projetos de lei na Câmara ao longo dos últimos 19 anos. Sete dessas propostas foram arquivadas e seis tramitam hoje, em conjunto, apensadas ao projeto, de 2001, de autoria da deputada Rita Camata (PMDB-ES). No Senado, existe um projeto de lei do senador Paulo Paim (PT-RS), que foi apresentado em março deste ano e aguarda votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Na Câmara, a proposta está na pauta de votação da Comissão de Trabalho. Os projetos mais antigos que previam a regulamentação do artigo 37, que dispõe sobre o direito de greve dos servidores públicos, são de 1989 e de autoria de três ex-deputados: Nelton Friedrich (PMDB-PR), Ruy Nedel (PMDB-RS) e Horácio Ferraz (PTB-PE). Na década de 90 foram apresentados mais três projetos sobre o tema: um de Chico Amaral (PMDB-SP), outro de Antonio Morimoto (PP-RO) e um terceiro de Rita, de 1995, que acabaram arquivados. Eram projetos de leis complementares, que precisavam contar com os votos favoráveis de, no mínimo, 257 deputados. SIMPLIFICAÇÃO A Constituição sofreu mudança em meados dos anos 90, com a reforma administrativa, e a regulamentação do direito de greve do servidor ficou mais simples. Pelas novas regras, ela pôde passar a ser feita por projeto de lei comum, que necessita apenas de metade mais um dos votos dos deputados presentes à sessão de votação. Nem assim a regulamentação do direito de greve no funcionalismo conseguiu sair do papel. Em abril de 2001, Rita apresentou outro projeto sobre o tema - ao qual foram apensadas outras cinco propostas. Uma delas é do ex-deputado Eduardo Paes (PMDB-RJ), que em 2003 propôs projeto para estabelecer os termos e limites em que será exercido o direito de greve dos servidores. Antes dele apresentaram propostas a deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA) e os ex-deputados Airton Cascavel (PPS-RR) e Iara Bernardi (PT-SP). Em abril deste ano, Régis Oliveira (PSC-SP) teve proposta arquivada porque apresentou um projeto de lei complementar. "É um absurdo não regulamentar o direito de greve. Não se valoriza o Poder Legislativo nem a autonomia dele", argumenta Rita. Segundo ela, o artigo 37 inciso VII não foi regulamentado até hoje porque existem interesses conflitantes entre os sindicatos da categoria, além da falta de vontade política dos líderes partidários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.