Câmara discute eleição para vaga de ministro do TCU

Sem quórum para votação no plenário, os deputados se movimentam nesta semana em torno da vaga para o Tribunal de Contas da União (TCU). Em reunião na manhã desta terça-feira, a bancada do PT decidiu indicar o nome do deputado Paulo Delgado (PT-MG) para a disputa no plenário. Até agora, são seis os candidatos à vaga. O PFL indicou o deputado Aroldo Cedraz (BA), o PSDB indicou Gonzaga Mota (CE), o PTB, Antonio Fleury Filho (SP), o PMDB, Osmar Serraglio (PR) e o PSC indicou o secretário-geral da Mesa, Mozart Viana. Considerado um funcionário exemplar da Câmara, com mais de 30 anos de trabalho na Casa, Mozart não deverá entrar na disputa com os deputados. A eleição é secreta, com cédulas, e foi marcada inicialmente para o dia 22, mas o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), analisa o pedido de alguns líderes para adiar a votação para o dia 29.A nomeação para ministro do TCU virou o maior objeto de cobiça entre deputados derrotados nas urnas. O cargo é vitalício e o salário é de R$ 23.275, maior do que os R$ 12.847 pagos aos parlamentares. Dos candidatos até agora à vaga, apenas Serraglio foi reeleito em outubro. A indicação do partido passou por escolhas nas bancadas. Cada partido tinha mais de um candidato para a vaga.A Câmara e o Senado se revezam na indicação dos ministros do TCU. Atualmente há duas vagas no tribunal a serem preenchidas. Para uma delas, o Senado aprovou o nome do senador Luiz Otávio (PMDB-PA), candidato à reeleição derrotado em outubro, mas a indicação não foi votada ainda pela Câmara. O nome do senador, acusado por suposta fraude em financiamento no Banco do Brasil, provocou uma reação negativa no TCU e o então presidente do tribunal Adilson Mota chegou a declarar que não daria posse ao indicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.