Câmara deve instalar CPI na próxima quinta, diz Múcio

A Câmara dos Deputados deverá instalar a CPI do Apagão Aéreo na manhã da próxima quinta-feira, 3, informou o líder do governo na Casa, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE). Ele participou de reunião do presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), com os líderes dos partidos políticos. Na reunião, os governistas definiram que vão tentar restringir as investigações da CPI. "Não existe rolo compressor. Mas a investigação na Infraero vai depender dos membros da comissão", observou José Múcio. "Infraero não tem nada a ver com crise do controle aéreo", disse o líder do PT, Luiz Sérgio (RJ). "A CPI proposta é para investigar trafego aéreo e não contratos de obras em aeroportos", disse o líder do PR, Luciano Castro (RR). Pelo regimento, o comando da CPI fica nas mãos dos dois maiores partidos da Câmara: o PMDB, com a presidência, e o PT, com a relatoria. O líder do PT admitiu que o partido poderá abrir mão da relatoria da CPI para o PMDB. "Caso o PMDB esteja disposto a ficar com a relatoria, não encontrará nenhuma resistência junto ao PT", afirmou Luiz Sérgio. Os aliados do governo devem ficar com a presidência e a relatoria da comissão. A CPI terá 24 titulares e 24 suplentes. O governo terá 16 vagas, e a oposição, oito. Atraso na indicação Ao sair da reunião por alguns momentos, Múcio contou que Chinaglia, no encontro, comunicou aos líderes que já recebeu o texto em que o Supremo Tribunal Federal (STF) ordena à Câmara que instale a comissão parlamentar de inquérito para apurar causas e responsabilidades pela crise no sistema de controle do tráfego aéreo do País. Segundo Múcio, Chinaglia disse também aos líderes que já estava encaminhando a todos eles o ofício para que indiquem os nomes dos parlamentares que representarão os respectivos partidos na CPI. Os líderes terão 48 horas, após o recebimento do ofício, para apresentar os nomes. José Múcio Monteiro previu, porém, que, por causa do feriado de 1º de Maio na terça-feira, a indicação dos nomes poderá atrasar. "Os mais rápidos indicarão amanhã. Os menos rápidos, na segunda-feira, se estiverem aqui, ou só na quarta-feira. É verdadeiramente provável que a CPI seja instalada na manhã de quinta-feira." Publicidade Além da CPI, voltou à discussão na reunião de líderes a cobrança de alguns líderes para que a Casa reaja às críticas que têm sido publicadas na imprensa contra deputados. "Os que se sentem atingidos reclamam. Chinaglia disse que vai ver o que pode fazer. A grande maioria, na Casa, reflete a seriedade da sociedade", disse Múcio. Outro assunto tratado no encontro dos líderes foi o aumento dos salários dos parlamentares. A idéia, na noite de quarta, era a de votar o projeto nesta tarde, assim que fosse liberada a pauta, que está trancada por duas medidas provisórias e um projeto de lei com urgência constitucional. Múcio, no entanto, descartou a possibilidade de que a proposta de reajuste seja votada nesta quinta. Texto ampliado às 19h34

Agencia Estado,

26 Abril 2007 | 13h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.