Câmara desiste de separar Corregedoria de cargo da Mesa

Hoje, cargo de corregedor é automaticamente cedido ao deputado eleito para o cargo de 2º vice-presidente

Agência Brasil,

10 de fevereiro de 2009 | 17h48

A Câmara desistiu de separar a Corregedoria da 2ª vice-presidência da Mesa Diretora. O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), disse nesta terça-feira, 10, após reunião com os líderes partidários, que o possível desmembramento só deve valer para a próxima legislatura (a partir de 1º de fevereiro de 2011). Hoje, o deputado que assume o cargo na Mesa vira automaticamente corregedor. A mudança havia sido sugerida após as denúncias que envolveram o deputado Edmar Moreira (DEM-MG), acusado de sonegar em sua declaração de Imposto de Renda a propriedade de um castelo avaliado em R$ 25 milhões.   Veja também: ACM Neto assume cargo de deputado dono de castelo DEM diz que decisão de expulsar Edmar Moreira já está tomada  Deputado dono de castelo se rende a pressão e renuncia a cargos Perfil: Quem é Edmar Moreira, dono do castelo  Enquete: você fiscaliza os políticos em quem votou?   Todas as notícias sobre o caso Edmar Moreira Veja quem são os membros da Mesa Diretora da Câmara  Fac-símile: 'Estado' publica matéria sobre o caso em 1993  A sucessão dos presidentes do Senado    Blog: acompanhe os principais momentos das eleições na Câmara e no Senado    Na reunião, ficou decidido transferir para uma comissão especial a discussão sobre esse desmembramento. Temer informou que vai criar, nos próximos dias, a comissão especial que, além de cuidar do desmembramento da Corregedoria, vai rediscutir o regimento interno, incluindo a discussão sobre a abertura de notas fiscais de prestações de contas de parlamentares, entre outros temas.   Michel Temer informou também que decidiu, junto com os líderes, votar e rejeitar, ainda hoje, a Medida Provisória das filantrópicas. Ele informou que, depois dessa votação, será elaborado um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) disciplinando os efeitos durante a vigência da MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.