Câmara descarta envolvimento de deputados em fraude

'Somente se constatou participação de funcionários durante as investigações', declarou presidência em nota

Agência Estado,

25 de fevereiro de 2010 | 17h03

A presidência da Câmara dos Deputados divulgou nota nesta tarde, 25, descartando a participação de parlamentares em ações fraudulentas para recebimento de benefícios. Mais cedo, o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), admitiu que a Polícia Legislativa identificou "uma verdadeira quadrilha" que atuava na Casa.

 

Veja também:

linkQuadrilha fraudava auxílio-creche e vale-transporte na Câmara

 

A nota diz que "não há, em nenhum dos inquéritos instaurados pelo Departamento da Polícia Legislativa, qualquer indício, por menor que seja, de envolvimento de parlamentar. Somente se constatou participação de funcionários durante as apurações".

 

Além disso, segundo a nota, os deputados que tinham em seus gabinetes nomes envolvidos nas investigações demitiram os funcionários assim que foram comunicados dos fatos. Esses funcionários teriam fraudado informações para o recebimento irregular de auxílio-creche e do vale-transporte.

 

Segundo informações da Agência Câmara, Temer informou, pela manhã, que a Câmara já tomou e continua tomando providências contra os funcionários envolvidos nas fraudes e que 15 ou 16 inquéritos já concluídos pela Polícia Legislativa foram enviados para o Ministério Público Federal. A fraude, sengo a Assessoria de Imprensa da Câmara, atinge R$ 1,15 milhão. Matéria publicada nesta quinta-feira, 25, pelo site 'Congresso em Foco', diz que os desvios podem chegar a R$ 3 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.