Câmara de Goiânia é investigada por desviar R$ 7 mi do INSS

A Câmara de Vereadores de Goiânia virou o centro de novo escândalo. A denúncia do vereador Clésio Alves (sem partido), há cerca de 30 dias, levou a Polícia Federal à descoberta de um desvio de R$ 7 milhões do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social). O dinheiro, segundo a denúncia, deveria ser depositado a título de pagamento de contribuições previdenciárias de servidores comissionados da Câmara.Mas, segundo as investigações da PF, os cheques emitidos entre os meses de novembro de 2001 e julho de 2004 acabaram no bolso de pessoas que estão sob a mira das investigações. Entre os suspeitos estão assessores do então presidente da Casa, em 2001-2002, o vereador Wladimir Garcez (PSDB), e um gerente do Banco do Brasil, que teria trocado os cheques por dinheiro. "Trata-se de uma vergonhosa falcatrua", disse o vereador Clésio Alves. Ele conseguiu hoje aprovar uma CEI (Comissão Especial de Investigações) para ser instalada no mês de fevereiro do ano que vem. "Os nomes de quem roubou eu não sei mas que houve a falcatrua não há dúvidas", disse. A Câmara de Goiânia já viveu outras denúncias de nepotismo, propinas e maracutaias na aprovação de obras públicas, como a de uma "ponte de carpete" da Rua 90 do Setor Sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.