Câmara de Belo Horizonte aprova fim do voto secreto

Depois de muita pressão popular que rendeu até bate-boca entre eleitores e a vereadora Maria Lúcia Scarpelli (PCB), que pediu aos colegas o esvaziamento do quórum no primeiro turno, a Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou nesta terça, em segundo turno, o fim do voto secreto. A Proposta de Emenda à Lei Orgânica 15/2012 foi aprovada por unanimidade pelos 39 parlamentares presentes à sessão.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

03 de julho de 2012 | 20h48

Até então, o expediente era usado nas votações de cassações de mandatos - o que nunca ocorreu - e na análise de vetos do prefeito. O texto tramitou por cinco meses na Casa e sua aprovação é uma tentativa dos parlamentares de limpar a imagem do Legislativo, bastante desgastada principalmente após a aprovação, na última sessão ordinária do ano passado, de um aumento de mais de 61% nos próprios salários - vetado pelo Executivo depois de diversas manifestações nas ruas da capital.

Dos 853 municípios de Minas, apenas outros cinco acabaram com os votos secretos de vereadores: Uberlândia, no Triângulo Mineiro; Patos de Minas, no Alto Paranaíba; Timóteo, no Vale do Rio Doce; e Ipatinga e Coronel Fabriciano, no Vale do Aço mineiro.

Tudo o que sabemos sobre:
voto secretoCâmaraBelo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.