Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Câmara cortará investimentos

Novo anexo deve ser adiado para economia de R$ 70 mi

Denise Madueño, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), decidiu fazer economia e cortar inicialmente R$ 70 milhões do orçamento da Casa. Em um primeiro momento, o corte deverá ser feito nos investimentos que estavam previstos para a construção de um novo anexo para gabinetes e para a biblioteca da Câmara. Estimativas iniciais mostram que a suspensão da construção do anexo 5, cujo dinheiro estava previsto no orçamento de R$ 3,5 bilhões da Casa neste ano, já seria suficiente para essa economia. "Este deverá ser o primeiro corte. O grupo de trabalho está examinando se há alguma coisa mais que possa ser cortada", afirmou Temer. A direção-geral da Câmara está examinando o orçamento para verificar em que áreas poderiam ser realizados os cortes. O primeiro-secretário, deputado Rafael Guerra (PSDB-MG), também montou um grupo de trabalho, que inclui um auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), para estudar a redução de despesas. "Poderemos reavaliar as prioridades do orçamento de 2009", disse Rafael Guerra. A Câmara gasta a maior parte de seu orçamento com pagamento de pessoal. A folha de pagamento, somando funcionários ativos, aposentados, pensionistas e os encargos sociais, chega a R$ 2,6 bilhões por ano, 74% do orçamento anual. PROJETOO projeto para a construção do novo anexo já está pronto. Pela proposta da Mesa Diretora anterior, presidida por Arlindo Chinaglia (PT-SP), a obra seria paga com parte do dinheiro arrecadado com a venda da folha de pagamento. A Câmara vendeu a exclusividade de manter o pagamento dos salários dos deputados e dos servidores no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal por R$ 230 milhões.O projeto do novo prédio prevê 285 gabinetes de 62 metros quadrados. O atual anexo 4 também seria reformado para aumentar o tamanho dos atuais gabinetes de 42 metros quadrados. A previsão inicial é de que a construção deverá levar de dois a três anos. O estudo também prevê a ampliação da garagem entre os dois blocos com a criação de cerca de 2.500 novas vagas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.