Câmara checa caso em SP

Contratos com empresas sob suspeita serão auditados

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

06 de novembro de 2008 | 00h00

A Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal criou ontem uma subcomissão temporária para investigar os contratos feitos pela Prefeitura de São Paulo com 5 das 11 empresas fornecedoras de remédios e materiais hospitalares que estão na mira da Operação Parasitas.Deflagrada há uma semana, após 11 meses de investigação, a Operação Parasitas levou para a prisão cinco empresários suspeitos de faturar R$ 100 milhões com fraudes na área de saúde nos últimos dois anos. A suposta organização criminosa seria dividida em duas células - uma tinha influência sobre contratos firmados com hospitais públicos da capital e da Grande São Paulo e outra atuava sobre prefeituras do interior de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás.Na Prefeitura de São Paulo, as cinco investigadas tiveram ao todo R$ 10,6 milhões empenhados (dinheiro reservado no Orçamento) desde o início da gestão, em 2005. Os contratos foram assinados tanto por Gilberto Kassab (DEM) como pelo ex-prefeito - hoje governador - José Serra (PSDB).As empresas que fornecem materiais e medicamentos para órgãos da prefeitura são a Embramed, a Home Care Medical, a Halex Istar, a Biodinâmica e a Velox Produtos de Saúde. A subcomissão da Câmara terá como presidente o vereador Roberto Tripoli (PV) e como relator Paulo Fiorilo (PT). O grupo, composto por seis parlamentares, vai analisar todos os contratos feitos pelas empresas com a prefeitura e suas autarquias, identificar quem foram os responsáveis pelas contratações e se os serviços foram mesmo prestados.A subcomissão, que funcionará por 30 dias, vai analisar os papéis e, em uma segunda etapa, deve chamar os responsáveis pelos contratos para prestar esclarecimentos. PROMOTORIAOs contratos com a Prefeitura de São Paulo também serão investigados pelo Ministério Público Estadual, por determinação do procurador-geral de Justiça, Fernando Grella Vieira. Além da capital, outras 19 prefeituras do Estado têm contratos com as 11 empresas citadasNa semana passada, assim que foram descobertos os contratos, a própria prefeitura decidiu passar a investigá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.