Câmara aprova regime de urgência para reforma eleitoral

O plenário da Câmara aprovou hoje por 340 votos a 1 o regime de urgência para tramitação da reforma eleitoral, o que garante prioridade à matéria, que deverá ser votada na próxima semana. A liberação da campanha na internet é a maior novidade da nova lei, mas os deputados estão divididos entre os que querem ampla liberdade de propaganda nos meios como blogs, e-mails e os sites de relacionamento e os que defendem limites como garantia de direito de resposta e a proibição de animações e trucagens depreciativas de adversários.

LUCIANA NUNES LEAL, Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 21h25

O texto a ser votado prevê, para debates na internet, as mesmas regras da TV, em que todos os candidatos têm direito de participar, mesmo que em datas diferentes.

Em relação à doação para campanhas, a proposta autoriza pessoas físicas a fazerem colaborações pela internet. Nas doações tradicionais, formaliza a chamada doação oculta, em que os recursos são repassados por pessoas físicas ou jurídicas aos partidos, que dividem entre os candidatos, desvinculando os políticos dos doadores. Na votação de hoje, o único deputado contrário ao regime de urgência foi Paes de Lira (PTC-SP).

Tudo o que sabemos sobre:
REFORMA ELEITORALURGÊNCIACÂMARA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.