André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Câmara aprova 'PEC da Bengala' para o serviço público

Proposta que amplia a idade mínima da aposentadoria compulsória dos servidores públicos dos 70 para 75 anos, assim como aconteceu com os ministros do Supremo Tribunal Federal segue agora para o Senado

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2015 | 19h47

Brasília - A Câmara dos deputados aprovou nesta quarta-feira, 23, por 355 votos a favor e 32 contra, o Projeto de Lei conhecido como PEC da Bengala, que amplia a idade mínima da aposentadoria compulsória do serviço público dos 70 para 75 anos, assim como aconteceu com os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Por causa de modificações no texto, a matéria retorna para apreciação no Senado. 

O Projeto de Lei Complementar 124/15, de autoria senador José Serra (PSDB-SP), prevê que a aposentadoria compulsória aos 75 anos será aplicada em todo o serviço público: servidores federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal; juízes, desembargadores e ministros do Judiciário; procuradores e promotores do Ministério Público; defensores públicos; e ministros e conselheiros dos tribunais e conselhos de contas. Segundo Serra, a economia às três esferas públicas com a medida será de R$ 1 bilhão.

A aposentadoria compulsória é aplicada apenas quando o servidor optar por permanecer em serviço até os 75 anos.

Serra protocolou o projeto no Senado em maio, um dia depois de a Câmara ter aprovado a PEC da Bengala, que estabelecia o aumento da idade da aposentadoria para 75 à cúpula do Judiciário, que abrange o STF e tribunais superiores. Como o texto do Judiciário já havia sido aprovado pelo Senado em dois turnos, em 2007, ele foi direto para a promulgação na Casa.

A aprovação da medida foi vista como uma derrota para o governo, já que a presidente Dilma Rousseff perdeu a chance de indicar 20 ministros durante o período do seu segundo mandato, sendo cinco deles indicações para o Supremo.

Tudo o que sabemos sobre:
Câmara dos DeputadosPEC da Bengala

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.