Câmara aprova abertura de processo contra Paulo Octávio

Medida foi resposta à decisão do governador em exercício do Distrito Federal de se manter no cargo

Carol Pires, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2010 | 20h35

A resposta da Câmara Legislativa à decisão de Paulo Octávio em se manter no governo, nesta quinta-feira, 18, do Distrito Federal foi imediata. No espaço de meia hora, os deputados distritais decidiram reabrir a sessão do plenário, indicaram Batista das Cooperativas (PTB) como relator do processo de impeachment de Paulo Octávio e aprovaram o parecer favorável à abertura do processo, feito pelo deputado em dez minutos. Agora, tanto o governador licenciado, José Roberto Arruda (ex-DEM), quanto o vice-governador eleito do Distrito Federal respondem a processo de impeachment.  

 

Veja também:

linkPaulo Octávio decide continuar no governo do DF

Ao todo, cinco pedidos de impeachment foram apresentados contra Paulo Octávio, tendo sido três aprovados pela Procuradoria da Casa, apresentados por representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), Partido dos Trabalhadores (PT-DF) e Central Única dos Trabalhadores (CUT-DF). Um pedido, do PCdoB-DF, ainda não foi analisado pela Procuradoria, e outro, do PSB-DF, foi rejeitado porque o representante do partido não apresentou cópia do título de eleitor na documentação.

José Roberto Arruda, citado como mentor de um esquema de corrupção conhecido como "Mensalão do DEM", também responde a processo de impeachment, aberto na manhã desta quinta-feira pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Legislativa. O processo contra Arruda será analisado, agora, por uma Comissão Especial. O processo contra Paulo Octávio, apesar de não ter sido aprovado pela CCJ antes, e sim pelo plenário, também seguirá o mesmo trâmite e será analisado pela Comissão Especial.

Ao pular o processo na CCJ, os deputados dão celeridade ao processo. Acelerar os processos contra Paulo Octávio foi uma proposta da oposição, que vem ganhando apoio da base aliada desde que o governador José Roberto Arruda foi preso pela Polícia Federal e pediu afastamento do cargo.

Na tarde desta quinta-feira também foram eleitos os deputados distritais que formarão a Comissão Especial - serão dois parlamentares da oposição, dois governistas e um considerado moderado. O relator dos processos na comissão, que ainda não foi escolhido, terá dez dias para emitir um parecer. A expectativa dos deputados é de que em 40 dias o assunto chegue à pauta do plenário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.