Câmara acusa Israel de violar Convenção de Genebra

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados acusa o Estado de Israel de violar a IV Convenção de Genebra e outros instrumentos de proteção dos direitos humanos, ao impedir o socorro a feridos, o enterro dos mortos e o funcionamento de hospitais. Em nota oficial, a comissão também condena "os ataques terroristas perpetrados por palestinos contra israelenses, que alimentam o conflito e o ódio entre povos irmãos". O presidente da comissão, deputado Orlando Frantazzini (PT-SP), que assina a nota, fez apelo ao presidente Fernando Henrique Cardoso e ao ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, para que assumam um "papel ativo nas negociações em favor da paz". Fantazzini considera que "o papel histórico desempenhado pelo Brasil na criação do Estado de Israel e a neutralidade do País frente ao conflito" conferem às autoridades brasileiras "força política" na negociação. Ele também aposta nas "condições morais" do País, por incentivar a harmonia entre as colônias judaica e palestina existentes no território brasileiro. A comissão enviará também a Israel e à Palestina uma missão parlamentar para reforçar o pedido de paz, já apresentado às embaixadas de Israel e da Autoridade Nacional da Palestina no Brasil. "Direitos humanos são universais e indivisíveis e constitutem o mais precioso patrimônio da humanidade. Por isso sua violação em massa, como está ocorrendo nos territórios palestinos ocupados, afronta a comunidade internacional e atinge a consciência de toda a humanidade", diz a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.