Caiado bombardeia Tarso em audiência

Ministro é convocado a explicar postura do governo nas invasões

Vannildo Mendes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

Por mais de quatro horas, o ministro da Justiça, Tarso Genro, foi submetido ontem a um bombardeio de críticas à suposta omissão do governo em conter as invasões de terra . A crítica mais veemente veio do deputado ruralista Ronaldo Caiado (DEM-GO), que acusou os sem-terra de promover "estado de terror" no Pará, com a conivência da governadora petista Ana Júlia Carepa, que estaria estimulando as invasões. As cobranças ocorreram em audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara, à qual o ministro compareceu por convocação e não por convite, como é praxe. Segundo Caiado, o País tem 160 fazendas invadidas, causando prejuízos de R$ 100 milhões aos proprietários. Dessas, 27 estão no sul do Pará, que lidera o ranking estadual das invasões. Ele usou slides para ilustrar "o vandalismo e o terror promovido pelos invasores". As imagens mostraram sedes de fazendas destruídas, plantações queimadas e cabeças de gado fincadas em cercas, em sinal de ameaça aos donos. Tarso declarou que os movimentos que lutam pela terra são sociais e a questão não é de polícia. "Polícia é para bandido, não para trabalhadores que lutam por seus direitos", disse o ministro. Afirmou, porém, que os excessos cometidos por sem-terra serão combatidos na forma da lei e o governo usará todo o seu poder para impedir violações do estado de direito, seja por parte dos proprietários ou dos invasores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.