Cai aprovação de Alckmin e Haddad depois de protestos, diz pesquisa

Datafolha mostra que avaliação positiva do governador de SP passou de 52% para 38% e do Prefeito, de 34% para 18%; no Rio, popularidade de Cabral e Paes também registrou queda

atualizada às 8h37, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2013 | 08h18

A avaliação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito da capital, Fernando Haddad (PT), também foram atingidas pelos protestos contra o aumento do preço da tarifa do transporte público. Segundo pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira, 1º, a popularidade do tucano caiu 14 pontos e do petista, 16 pontos.

No sábado, também de acordo com levantamento do Datafolha, a popularidade da presidente Dilma Rousseff passou de 57% para 30% nas últimas três semanas. A redução é a maior queda de aprovação de um presidente aferida pelo Datafolha desde Fernando Collor em 1990.

A comparação da avaliação do desempenho de Alckmin e Haddad foi feita entre 6 e 7 de junho, antes da intensificação dos protestos na capital, e 27 e 28 de junho, quando já havia sido anunciada a revogação do aumento das tarifas do metrô, CPTM e ônibus. No primeiro levantamento, 52% achavam o governo Alckmin ótimo ou bom e 31% achavam regular. Na semana passada, a avaliação positiva registrou 38% e a regular subiu para 40%. O índice daqueles que consideram ruim ou péssimo também aumentou de 15% para 20%.

A pesquisa foi realizada nos dias 27 e 28 de junho em 44 municípios e ouviu 1.723 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Já em relação a Haddad, no início de junho, 34% o consideravam ótimo ou bom e 21%, ruim ou péssimo. Três semanas depois, a avaliação positiva caiu para 18% e a reprovação saltou para 40%. Aqueles que consideram regular oscilou de 37% para 35%. A pesquisa foi realizada nos dias 27 e 28 de junho e entrevistou 1.106 pessoas. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

No Rio. A onda de protestos também influenciou a aprovação do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), e do prefeito da cidade, Eduardo Paes (PMDB). A popularidade do governador passou de 55% para 25% e reprovação subiu de 12% para 36%, na comparação com a pesquisa anterior, feita em novembro de 2010. O levantamento foi realizado nos dias 27 e 28 de junho em 27 cidades e ouviu 1.108 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Em relação a agosto de 2012, a avaliação positiva de Eduardo Paes caiu de 50% para 30%, e a reprovação aumentou de 12 para 33%. O instituto ouviu 605 pessoas entre os dias 27 e 28 de junho. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosDatafolhaalckminhaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.