Café pode diminuir o risco de diabete, diz estudo

Boa notícia para quem gosta de um cafezinho. A xícara de café, que ajuda milhões de pessoas a despertar de manhã - e outras tantas xícaras durante o dia -, podem reduzir o risco de diabete, segundo um estudo de pesquisadores holandeses divulgado ontem. Cientistas da Universidade de Vrije, em Amsterdã, disseram que os componentes do café parecem ajudar o corpo a metabolizar o açúcar, reduzindo assim o risco da doença, que afeta cerca de 130 milhões de pessoas no mundo todo. "Este é o primeiro estudo que aparece com a idéia de que o café poderia realmente ser benéfico para a diabete tipo 2", declarou Rob Van Dam, do Departamento de Nutrição e Saúde da universidade holandesa. Tanto filtrado como na forma de capuccino, com leite ou expresso, o café contém minerais como magnésio, potássio e outros micronutrientes que trazem benefícios para a saúde. Van Dam e sua equipe ainda não sabem exatamente qual dos componentes da bebida está envolvido contra a diabete ou como ele age no combate à doença, mas, ao compararem o consumo de café com o risco de diabete tipo 2, descobriram que, quanto mais as pessoas bebiam, menor se tornava a possibilidade de elas adquirirem a doença. Menos xícaras, menos efeito De acordo com os estudos, indivíduos que bebem sete ou mais xícaras de café por dia são 50% menos sujeitos a desenvolverem a doença. Menos xícaras por dia têm menor impacto. "Para a maioria das pessoas, não é ruim beber quantidades moderadas de café", disse Van Dam. Mas ele afirmou também que a descoberta, a ser publicada no jornal médico The Lancet, precisa ser confirmada por outros estudos e não significa que as pessoas devem beber grandes quantidades de café durante todo o dia. Estudos já mostraram que beber muito café pode elevar os níveis de colesterol e aumentar o risco de osteoporose - ou outras doenças nos ossos - em algumas pessoas, salientou Van Dam. "É praticamente uma escolha individual beber café ou não", ressaltou o pesquisador holandês. Van Dam acrescentou ainda que, se os cientistas soubessem mais sobre os componentes ativos do café, seria possível fazer um tipo de bebida ou outros produtos com mais componentes benéficos e menos ativos prejudiciais. Em oito anos, 220 milhões de doentes A diabete é uma doença crônica causada pela deficiência ou pela falta de insulina no sangue. A diabete tipo 2 é causada pela incapacidade do organismo de produzir insulina o suficiente ou de usá-la corretamente. As pessoas com a diabete tipo 1 não produzem insulina e precisam de injeções diárias. A maioria das pessoas que sofrem da tipo 2 está acima do peso ou é obesa. Excesso de peso é o fator de risco mais comum e evitável para a doença, que, segundo especialistas estimam, afetará 220 milhões de pessoas em 2010.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.