Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Na casa de Renan, Lula reúne senadores da base para ajudar Dilma

Ex-presidente está desde terça-feira em Brasília para tentar conter avanço do processo de impeachment e debandada de aliados

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2016 | 09h42

Brasília - Em Brasília desde terça-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontra na manhã desta quarta-feira, 9, com senadores aliados na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Além de peemedebistas, participam da reunião parlamentares do PT, PP, PC do B e PDT. O petista foi à capital federal para tentar ajudar o governo Dilma Rousseff a enfrentar a crise política e tentar conter o avanço do apoio a um processo de impeachment da presidente, assim como uma debandada na base aliada.

Já chegaram ao local os senadores Eunício Oliveira (PMDB-CE), Romero Jucá (PMDB-RR), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Paulo Paim (PT-RS), Roberto Requião (PMDB-PR), Lindbergh Farias (PT-RJ), Benedito Lira (PP-AL), Jorge Viana (PT-AC), Humberto Costa (PT-PE), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Paulo Rocha (PT-PA, José Pimentel (PT-CE) e Telmário Mota (PDT-RR), relator do processo de cassação do senador Delcídio Amaral no Conselho de Ética no Senado. 

O ex-presidente chegou ao local antes mesmo dos senadores. Esperado para o encontro, o também ex-presidente José Sarney (PMDB) não compareceu. Segundo sua assessoria, ele está fazendo fisioterapia nesta manhã até por volta das 11 horas. A assessoria não informou se Sarney deve encontrar Lula ainda nesta quarta.

Lula desembarcou nessa terça-feira em Brasília para se juntar à articulação contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff e tentar frear movimento de ala do PMDB que defende o desembarque do partido do governo.

Na noite de terça, o ex-presidente jantou com a presidente Dilma e com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo). 

'Perseguição'. Ao deixar o local, o senador petista Lindbergh Farias (RJ) afirmou que o ex-presidente tratou no encontro das investigações contra ele na Lava Jato. "Ele (Lula) explicou a situação", disse Lindbergh, sem entrar em detalhes. "Acha que é perseguição e que a condução coercitiva é ilegal", afirmou, ao deixar o café da manhã. Segundo o senador petista, o ex-presidente reafirmou que sempre prestou todos os esclarecimentos à Justiça e à polícia.

Lindbergh disse que Lula está "ótimo". "O presidente sabe escutar, foi uma conversa muito boa. É o que tem que ser feito neste País", afirmou.

O senador petista afirmou ainda que Lula e outros senadores mostraram muita preocupação com a economia e defenderam a necessidade de retomada do crescimento econômico. Questionado por jornalistas, Lindbergh afirmou que não foi discutida na reunião suposta nomeação de Lula para algum ministério do governo Dilma.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.