Caetano reclama de Gil e critica FHC

No aniversário de 100 anos da mãe, dona Canô, ele cobra do ministro melhor defesa dos direitos autorais

Lauro Lisboa Garcia, SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2017 | 00h00

Era para ser um "anticlímax" a fala de Caetano Veloso, como ele próprio antecipou, no seminário Os Sambas Brasileiros: Diversidade, Apropriações e Salvaguarda, que marcou a inauguração da Casa do Samba, no fim de semana, em Santo Amaro da Purificação (BA), terra natal do compositor. No entanto, rebatendo observações do antropólogo Hermano Vianna, Caetano acabou atraindo maior atenção para sua participação, que encerraria o evento.O filho de dona Canô, que estava na cidade principalmente para comemorar os 100 anos da matriarca da família Viana Telles Veloso, ocorrido ontem, criticou a pirataria, a entrevista do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso à revista Piauí, a absolvição do presidente do Senado, Renan Calheiros ("uma vergonha"), o projeto de nova reforma ortográfica da língua portuguesa. E terminou cobrando do ministro da Cultura Gilberto Gil, presente ao evento, um maior cuidado em defesa dos direitos autorais.Caetano elogiou um dos aspectos da gestão do ministro - como o que ele chama de "licença alternativa" diante das propostas novas decorrentes da evolução tecnológica, vista pelo ministro como um "conjunto de benefícios novos para divulgação" de obras artísticas -, mas ressalvou: "É bacana, mas também temerário você afirmar isso como ministro, que é também produtor de cultura. Chega num ponto em que o ministério deveria agir nessa questão com mais cuidado. Porque o estímulo a esse negócio cria uma sensação de vale-tudo." Gil rebateu dizendo que está preparando "uma discussão profunda com a sociedade" e organizando o Fórum Nacional do Direito Autoral.Caetano emendou em seu discurso uma crítica a Fernando Henrique, que disse à revista Piauí não gostar de paradas cívicas porque os brasileiros não sabem marchar, sambam. "Achei um lixo essa entrevista, não gostei do tom dele, superior. É um tom chato que vem dessa área de São Paulo de se meter na política via intelectualidade. Na verdade isso ainda vem na eleição de Lula", prosseguiu.Criticou também a absolvição de Renan Calheiros. "Eu acho uma vergonha. Sou da classe média, filho de um homem honrado." Caetano disse que não gosta de dinheiro, mas também é contra os regimes comunistas ("uma porcaria"). "Eles nunca passaram pela experiência que nós temos, que é a glória da liberdade."IMPRENSACaetano falou que pensa em parar de dar entrevistas, irritado com o fato de ser alvo de sites de fofoca e de insistentes câmeras fotográficas. E mostrou-se indignado com os excessos do batalhão de fotógrafos e câmeras de tevê, que não deram trégua a dona Canô durante a missa realizada ontem de manhã em homenagem a ela na Igreja de Nossa Senhora da Purificação.Algo semelhante já tinha ocorrido em outra missa no sábado, quando chegou à cidade a imagem de Nossa Senhora Aparecida, presente do padre Josafá Morais à cidade. As duas missas tiveram momentos de grande comoção, com a filha Maria Bethânia cantando Romaria, de Renato Teixeira, no sábado, e Maria, do neto de Canô Jota Velloso, ontem. Sempre sorridente, dona Canô foi homenageada também pelos Correios (numa estranha e inadequada cerimônia dentro da igreja), que vão lançar um selo comemorativo de seu centenário com uma foto dela.Apontada por várias conterrâneas como exemplo de dignidade e bem-viver, ela permaneceu até perto de 13h30 numa tenda armada na frente da igreja para receber os cumprimentos da população que já vem há meses festejando a data antecipadamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.