Caem conflitos, mas não total de mortes, diz CPT

O número de conflitos no campo foi de 1.538, em 2007, para 1.170, em 2008, mas a Comissão Pastoral da Terra (CPT) não comemorou essa queda, ao apresentar um relatório sobre a violência rural, ontem à tarde, na Assembleia-Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Indaiatuba (SP)."O total de assassinatos se manteve inalterado, 28", disse o presidente da CPT, d. Ladislau Biernaski, de São José dos Pinhais (PR). O Pará é campeão em assassinatos - o número subiu de 5 para 13.O relatório responsabiliza o agronegócio e a falta de reforma agrária pela violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.