Imagem João Domingos
Colunista
João Domingos
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Cada um por si

Uma boa coligação regional pode garantir bancada grande e lugar no próximo governo

João Domingos, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2018 | 05h00

Muito se tem falado a respeito da eleição presidencial, seus pré-candidatos, a encalacrada candidatura de Lula, as tentativas de se buscar um acordo em torno de um nome de centro, a novidade Joaquim Barbosa, o mercado aos sustos, o dólar na montanha-russa por causa das incertezas políticas e por aí vai. E é natural que se fale sobre o assunto mais até do que sobre a Copa da Fifa na Rússia, pois a eleição presidencial interessa a toda a população num momento em que temas como o combate à corrupção, falta de segurança, saúde, educação e transportes parecem tê-la despertado.

+ Eleições: conheça os pré-candidatos à Presidência

Também chama a atenção nesse chacoalhar cívico que toma conta do País o comportamento de vários partidos médios, que, durante a presidência do deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso em Curitiba, montaram um grupo que se denominou “Centrão”. Os principais são o PP, o PTB, o PSD e o PR. Enquanto as outras legendas arrancam os cabelos na busca de uma forma de tornar seu candidato a presidente competitivo, os partidos do Centrão permanecem na moita, fazem sondagens para ver quem é que está em melhor situação nos Estados, se aproximam e se afastam, a depender das circunstâncias. Vão apostar tudo na eleição para o Parlamento, a última em que se poderá fazer coligação para a disputa pelas cadeiras da Câmara.

Nesse caso, é muito importante se aliar com um candidato forte para o governo estadual, porque será a garantia de eleição de uma boa bancada. Assim, ninguém deve estranhar se em Goiás, onde o senador Ronaldo Caiado (DEM) tem possibilidade de vencer a eleição no primeiro turno, ele reunir todo mundo à sua volta. E se no vizinho Distrito Federal o mesmo grupo correr para um candidato de partido muito diferente.

+ Lula alega ‘subsistência’ e pede a Moro que desbloqueie seus bens

Vale lembrar que se há dois anos o PT era o patinho feio da política, por causa das denúncias de corrupção envolvendo o partido, hoje conseguiu superar essa fase. Numa demonstração de resistência impressionante, o partido reconquistou a maior bancada na Câmara. Está hoje com 60 deputados, seguido do MDB, que tem a Presidência da República, com 51. Em terceiro lugar aparece o PP, o partido com maior número de investigados na Lava Jato. Isso pouco importa. O que interessa é correr atrás de boas coligações.

No Piauí, por exemplo, Estado do presidente do PP, senador Ciro Nogueira, o partido está envolvido numa briga sem fim com o MDB de Michel Temer pela indicação do candidato a vice na chapa do governador Wellington Dias, do PT. Tudo isso porque quem fizer aliança com Dias sabe que terá muito mais chances de se eleger do que se for para outra coligação.

Na Bahia a decisão do prefeito de Salvador, ACM Neto, do DEM, de não se candidatar, deixou órfãos PSDB e MDB. O PP conseguiu garantir de novo para João Leão a vaga de vice na chapa do governador petista Rui Costa, que tem conseguido manter boa popularidade entre os baianos porque vem conseguindo pôr em prática as promessas de campanha. O PSD de Gilberto Kassab também é aliado de Costa.

Esse comportamento, que se tornou uma espécie de marca registrada do Centrão, não é exclusividade do grupo. O MDB também está interessado em alianças vantajosas. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, por exemplo, deixou de lado as velhas rusgas com os irmãos Cid e Ciro Gomes e vai se aliar a eles numa composição que envolve também o governador petista Camilo Santana. Garantirá, com isso, uma das vagas na chapa para buscar a reeleição ao Senado. A outra será dada ao ex-governador Cid Gomes. No presidencialismo de coalizão do Brasil o partido que eleger um número razoável de deputados terá boa chance de garantir um pedaço do governo. Pouco interessa quem será o vencedor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.