Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Caciques’ e militares dominam o PSL nos Estados

Partido que cresceu com a eleição presidencial de Bolsonaro agora tenta se estruturar ideologicamente nos diretórios estaduais

Pedro Venceslau, Paulo Beraldo e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2019 | 05h00

Após experimentar um vertiginoso crescimento em 2018, ao sair da condição de “nanico” para eleger um presidente da República, 52 deputados e 4 senadores, o PSL vem ganhando, em seus diretórios estaduais, uma feição singular que mistura representantes da “nova” e da “velha” política. Entre os dirigentes estão “caciques” locais (políticos de famílias tradicionais), militares, ativistas digitais e empresários.

Os líderes regionais do partido do presidente Jair Bolsonaro não possuem uma pauta nacional e defendem interesses difusos. Esse novo condomínio de poder reúne oito militares, sete empresários, quatro advogados, três ruralistas, uma professora, um médico e um pastor, um vereador e um chefe de gabinete.

Uma mostra da forma como o PSL passou pelo processo de reformulação para receber a candidatura presidencial de Bolsonaro e seus aliados, no ano passado, é que 24 dos 27 diretórios estaduais da legenda operam de maneira provisória e muitos acumulam dívidas, segundo levantamento feito pelo Estado. Em 16 diretórios (AC, AL, AP, AM, GO, MT, PR, RJ, GO, MG, RN, RS, SP, RO, SC e SE) as comissões provisórias foram montadas em janeiro de 2019, com validade de seis meses. Outras sete (BA, CE, ES, MS, PB, PI e TO) estão “vencidas” desde 2018. Apenas quatro (MA, DF e PA) estão regularizados, com direção eleita. Boa parte dos diretórios não têm nem sequer sede própria. 

A deputada Bia Kicis (DF) disse que o regimento interno do PSL prevê que filiados com mandato têm prioridade para comandar o diretório estadual. “No Distrito Federal, por exemplo, eu sou a única parlamentar. Então, permanecerei à frente do diretório. Já em São Paulo, que tem vários parlamentares eleitos, isso vai ser definido na base da conversa”, disse.

A falta de filtros na formação do “novo” PSL, entretanto, preocupa os quadros ideológicos do bolsonarismo. “O PSL que disputou a eleição foi criado às pressas. Bolsonaro se filiou aos 44 minutos do segundo tempo e todo mundo foi no embalo. É como uma rede de pesca: entrou de tudo”, disse o deputado estadual paulista Frederico D’ávila, principal representante dos ruralistas no PSL. Ele é defensor da ideia de que a legenda tenha uma “escola de ideologia”. “Nada impede que em alguns lugares o PSL vire um partido de caciques”, disse. 

Eleita deputada federal por São Paulo, a ativista digital Carla Zambelli concorda. “Com a eleição do Bolsonaro teve muita gente que veio na onda sem ter a mentalidade conservadora e liberal”, disse. 

Apesar da ausência de uma linha ideológica clara, o perfil do PSL nos Estados apresenta uma forte tendência classista em relação à defesa da pauta dos militares. “Um terço da nossa bancada é de policiais civis e militares. Isso reflete nos Estados”, observou o deputado Delegado Waldir (GO), líder do partido na Câmara.

Entre os clãs familiares que comandam o PSL nos Estados, dois se destacam: os Bolsonaro, no Rio, e os Francischini, no Paraná. No caso do Rio, a disputa pelo comando do partido virou uma questão familiar. O vereador Carlos Bolsonaro, que é filiado ao PSC, apoiou o nome deputada estadual eleita Alana Passos para suceder o irmão mais velho no comando do partido, mas Flávio decidiu permanecer na presidência. 

Dois dos três governadores eleitos em 2018 presidem a sigla em seus Estados – Coronel Marcos Rocha, em Rondônia, e Antonio Denarium, em Roraima. 

Fundo. O único objetivo comum a todas as linhas do PSL é a meta de lançar o maior número de candidatos a prefeito em 2020 para capilarizar a atuação do partido no País. Neste cenário, a sigla deverá discutir na próxima semana as diretrizes para a divisão do Fundo Partidário. Após a eleição, a legenda dos Bolsonaro passou a ter a maior fatia do Fundo – R$ 110 milhões de reais por ter eleito 52 deputados. O valor é 17 vezes maior do que o recebido em 2018.

Para se adaptar à nova realidade, o presidente nacional do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), concentrou o poder de distribuir o comando da legenda entre aliados nos Estados, mas concedeu autonomia para os dirigentes locais. A ideia, segundo ele, é regularizar a situação nacional até junho. 

Para o cientista político Rodrigo Prando, da Mackenzie, o PSL “precisa primeiro virar um partido, porque hoje ele é um conjunto de interesses reunidos em torno da vitória do Bolsonaro”. “A maioria dos seus integrantes recusa essa socialização que existe nos partidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.