Cachoeira pagou contas de secretários do governador de GO

Em conversas obtidas pela Polícia Federal, o contraventor mostra irritação por pagar 'conta' e não emplacar pessoas ligadas ao seu grupo no governo de Marconi Perillo (PSDB)

do estadão.com.br

17 de julho de 2012 | 10h39

Secretários do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) tinham contas pagas pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, segundo conversas telefônicas gravadas pela Polícia Federal e divulgadas nesta terça-feira, 17, pelo jornal O Globo. Os pagamentos seriam realizados por meio da construtora Delta, apontada pela PF como empresa integrante do esquema de Cachoeira.

 

Os diálogos com o ex-vereador Wladmir Garcez (PSDB), que seria o braço político do esquema, ocorreram em abril do ano passado. A conversa mostraria a irritação de Cachoeira por não conseguir colocar indicações suas no governo de Perillo.

 

"Eu não consigo pôr no Detran, o Wilder foi lá e emplacou. O Wilder não dá um centavo pra ninguém. Imagina só: o Wilder vai lá para o Palácio, consegue convencer o Marconi a colocar o cara e você tá lá todo dia e não fala nada. Você tá com o secretariado todo dia, todo dia você traz conta pra mim, levo pro Cláudio, e não consegue emplacar ninguém. Entendeu? - reclamou Cachoeira, fazendo referência a Cláudio Abreu, da Delta Construções. O Wilder mencionado é empresário Wilder Pedro de Morais, senador que assumiu a vaga no Senado lugar do ex-senador Demóstenes Torres (sem partido-GO).

 

Em reportagem desta terça, o Estado revela que dados bancários da CPI, da PF e do governo de GO indicariam que a Delta bancou a compra da casa do governador. Cachoeira estava neste imóvel quando foi preso, em fevereiro deste ano. A PF acredita que a Delta firmou um "compromisso" com Perillo, intermediado por Cachoeira, após a posse no governo. A compra da casa teria sido a primeira negociação após o acerto.

 

Em nota, Perillo alegou que os três repasses citados pela PF fazem parte de um total de 13 pagamentos feitos de forma regular à Delta, por parte da Secretaria de Segurança Pública. Sobre as denúncias de que secretários tiveram as contas pagas, o governador ainda não se pronunciou.

 

Diante das notícias recentes envolvendo o governador, integrantes da CPI do Cachoeira avaliam reconvocar Perillo para dar explicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.