Cachoeira garante que nunca chantageou Diniz

O bicheiro Carlinhos Cachoeira afirmou hoje, por meio de sua assessoria, que jamais chantageou o ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil Waldomiro Diniz para obtenção de contratos de exploração de jogos. Cachoeira disse que é vítima - não réu - no processo que apura corrupção e tráfico de influência no período em que Waldomiro presidiu a Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj). Para Cachoeira, Waldomiro mentiu hoje no depoimento à CPI da Loterj, na Assembléia do Rio, confundir as investigações e tentar desqualificar as provas contra ele. .O jornalista Mino Pedrosa, ex-assessor de Cachoeira e também acusado por Waldomiro de chantagem, disse que jamais tratou desse assunto com o ex-assessor do ministro José Dirceu. O encontro, do qual Mino disse ter participado apenas como observador, foi com outro jornalista, Mário Simas, editor da revista IstoÉ. A revista havia publicado matéria sobre as relações de Waldomiro com o bicheiro e, conforme o relato de Mino, o ex-assessor do Planalto procurou Simas para ameaçá-lo de processo. Em 14 de janeiro, segundo Mino, Waldomiro foi ao seu escritório em companhia do presidente da Associação Brasileira de Bingos (Abrabin), Olavo Sales, para lhe fazer uma proposta de consultoria de R$ 100 mil mensais. Pela proposta, Mino faria a assessoria de imprensa e Waldomiro cuidaria da parte parlamentar defendendo os interesses dos bingos no Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.