Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Cachoeira fica calado e CPI antecipa fim de sessão

Orientado por seu advogado, contraventor se valeu do direito constitucional de ficar em silêncio; comportamento irritou parlamentares

Ricardo Brito, da Agência Estado

22 Maio 2012 | 16h50

A sessão da CPI em que era aguardado o depoimento do contraventor Carlinhos Cachoeira durou 2h30 e terminou sem que o contraventor respondesse a qualquer uma das perguntas feitas pelos parlamentares. Cachoeira entrou na sala do Senado às 14h13 sem algemas. Conforme adiantou o seu advogado Márcio Thomaz Bastos, ele ficou em silêncio para não produzir provas contra si mesmo. "Direito constitucional de ficar calado", repetiu seguidas vezes durante a sessão.

 

Já na sua primeira fala à CPI, ele anunciou que só prestaria esclarecimentos após comparecer a duas audiências na Justiça Federal em Goiânia, marcadas para os dias 31 de maio e 1º de junho. "Não falarei nada aqui", disse. Diante do silêncio de Cachoeira às perguntas, os deputados e senadores preferiram apoiar requerimento da senadora Kátia Abreu (PSD-TO) para abreviar a reunião.

 

Durante a sessão, coube a Kátia Abreu fazer o mais duro questionamento ao encontro desta terça-feira. "Estamos fazendo papel de ridículo diante desse cidadão", afirmou a senadora, para quem os parlamentares estavam perguntando para uma múmia. "Um cidadão que não quer responder. Não vou ficar dando ouro para bandido".

O pedido para encerrar a reunião contou com o apoio da maioria dos parlamentares do colegiado. Os parlamentares não conseguiram votar a reconvocação do contraventor porque a sessão de votação do plenário do Senado já teve início e, regimentalmente, não é possível ter votações em comissões ao mesmo tempo do plenário da Casa.

 

Sessão. No Senado, a sala e o corredor onde foram realizados o depoimento ficaram com acesso controlado pela Polícia Legislativa. Apenas servidores identificados e jornalistas com credenciais especiais foram liberados para acompanhar o depoimento, para não superlotar a sala. A mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, acompanhou a sessão. Ao final, Cachoeira retornou ao Presídio da Papuda, no Distrito Federal.

Mais conteúdo sobre:
cpi do cachoeira carlinhos cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.