Caça sueco é derrotado em concorrência na Noruega

O avião Gripen NG, sueco, finalista do programa F-X2 do Comando da Aeronáutica para escolha do novo caça avançado brasileiro, foi rejeitado pelo Ministério da Defesa da Noruega no projeto de renovação da frota de aeronaves de combate.De acordo com a ministra da Defesa Anne-Grete Erichsen, o governo norueguês vai "manter seus compromissos em relação ao F-35 JSF", caça americano da Lockheed-Martin. O modelo não participa do processo de aquisição pelo Brasil. Embora incluído na relação de consultas internacionais, o F-35 não foi submetido à apreciação do Alto Comando pelo fabricante. Toda a tecnologia do jato é considerada de acesso restrito e não pode ser transferida, exigência básica do F-X2.Anne-Grete Erichsen, em nota oficial, explicou que o caça americano foi "o único candidato que atendeu às necessidades especificadas - e a custo mais baixo que o do Gripen NG". A ministra destacou que o equipamento está sendo considerado de maneira ampla "no conjunto da política de defesa de longo prazo". Segundo ela, o JSF acabou se revelando o melhor entre os dois concorrentes, observados alguns tópicos como missões de inteligência, interceptação, interdição e ataque ao solo.O Gripen NG disputa com o F-35 outros dois contratos, na Dinamarca e na Holanda. A encomenda da Noruega envolve um lote inicial de 48 aeronaves, no valor de US$ 2,5 bilhões - cerca de US$ 52 milhões por unidade.DESAPONTAMENTOO presidente da SAAB, fabricante do Gripen NG, Äke Svensson, revelou-se "desapontado e surpreso com a decisão do governo da Noruega, uma vez que o Gripen satisfaz todas as exigências operacionais a um preço fixo e conhecido".Äke frisou que era oferecido "forte pacote de cooperação industrial". Referindo-se indiretamente ao Brasil, destacou o propósito de concentrar ações "em todos os países onde ocorrem licitações e o caça se apresenta como alternativa".A corporação está presente em licitações ou escolhas também na Suíça, Índia, Romênia, Bulgária e Croácia. A Tailândia, Hungria e África do Sul optaram pelo Gripen.A versão NG, oferecida ao Comando da Aeronáutica e incluída entre os três finalistas - com o Rafale C, da França, e o F-18 E/F, dos Estados Unidos - para escolha F-X2, incorpora sistemas de bordo de última geração e expande as capacidades originais.Compacto, medindo apenas 14 metros, recursos para reabastecimento em vôo, velocidade de 2,1 vezes a do som, ganhou maior capacidade para carga de ataque, radar multi modo e motor com 20% mais empuxo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.