Caça da FAB desaparece em Recife

Está desaparecido desde as 14h desta sexta-feira um avião caça da Força Aérea Brasileira pilotado pelo tenente-coronel Luiz José Maria, 42 anos, que decolou da Base Aérea do Recife para um vôo de revisão de equipamentos sobrevoando o mar. Cinco aviões - um do Rio de Janeiro, um de Salvador e três do Recife - se revesam nas buscas. Mergulhadores do Corpo de Bombeiros de Pernambuco também procuram o piloto, com a ajuda da Marinha, especialmente na área destinada aos testes - uma faixa de 20 a 70 quilômetros da praia de Piedade, no município metropolitano de Jaboatão dos Guararapes.Segundo o assessor de comunicação e chefe de segurança de vôo da Aeronáutica no Nordeste, major Ricardo Hein, as buscas serão mantidas até que o piloto seja encontrado. Luiz José Maria tinha 22 anos de vôo e 10 anos de experiência neste tipo de missão que realizava ao desaparecer. O retorno do caça estava previsto para menos de duas horas depois da decolagem. Para Hein, não há como levantar hipóteses sobre o que ocorreu. É possível apenas dizer que o avião teve um problema grave e súbito, já que o piloto não teve tempo de se comunicar com a torre de comando. Ele informou que o caça desaparecido é um modelo Xavante AT-26 usado para formação de novos pilotos e fabricado na década de 70. É considerada uma aeronave segura porque é revisada periodicamente. O caça tem assento ejetável equipado com bote salva-vida e suprimento de água e alimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.