Cabral volta a defender o retorno da CPMF

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), voltou a defender o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Durante a solenidade de formatura de 489 soldados no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, no fim da manhã de hoje, no Rio, disse que o dinheiro repassado aos Estados pelo Ministério da Saúde não é suficiente e a maioria dos senadores que derrubaram o tributo, em 2007, "perderam as eleições".

TIAGO ROGERO, Agência Estado

06 de setembro de 2011 | 14h08

"Falar em aumento de tributo nunca é bom, mas a CPMF é um imposto que atende e tributa num valor relativamente muito baixo. É bom para o controle financeiro, a movimentação financeira do País; tributa quem tem conta, o mais pobre infelizmente não tem; e, ao mesmo tempo, financia a Saúde, que é algo fundamental já que a grande maioria precisa de saúde pública", disse o governador.

"Não sou favorável (ao aumento de tributos), pelo contrário. Aqui, no Estado, temos reduzido os impostos. Mas, nesse caso específico da CPMF, é um apelo que faço ao Congresso", afirmou. Cabral disse que a "derrota da CPMF" foi a que mais sentiu no Senado. "Foi, se não me engano, por um ou dois votos, e aqueles que derrotaram perderam as eleições. Aqueles que acharam que estavam fazendo um bem para o povo, o povo não os reconheceu. A grande maioria dos senadores contra a CPMF perdeu a eleição. Cometeram um erro contra o País", disse.

Mais conteúdo sobre:
Emenda 29saúdeCabral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.