Cabral usou contas no exterior para pagar joias, diz diretora de joalheria

Maria Luiza Trotta presta depoimento na Justiça do Rio

Fábio Grellet e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2017 | 22h22

RIO - Em depoimento à Justiça Federal nesta quinta-feira, 1, a diretora comercial da rede de joalherias H. Stern, Maria Luiza Trotta, afirmou que o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), preso desde novembro passado e acusado de liderar uma organização criminosa que desviou dinheiro público, usou uma conta na Alemanha para pagar por joias compradas para sua mulher, Adriana Ancelmo.

“A Adriana geralmente vinha à loja. Já (no caso das compras com) o senhor Sérgio Cabral, um assessor vinha até mim, agendava o local e eu ia ao encontro dele. (...) Os pagamentos eram feitos geralmente em espécie. O Sérgio Cabral dizia que o Carlos Miranda iria ao nosso encontro. Ele ia na nossa matriz e fazia o pagamentos. Teve uma ocasião que ele pagou com transferência bancária através de uma conta no exterior. Veio de uma conta da Alemanha . Foi um conjunto de safiras”, disse Maria Luiza ao juízo da 7.ª Vara Federal do Rio.

A diretora da H. Stern, que é testemunha de acusação contra Cabral, afirmou ainda que Adriana “gostava de coisas exclusivas”: “Em muitos casos ela pediu para produzir um modelo para ela. Ao todo, 11 vendas foram feitas para a Adriana Ancelmo”, disse.

Em depoimento prestado em 24 de maio, Cabral admitiu a compra de joias, segundo ele realizado com dinheiro de sobras de campanha.

Bloqueio. A Justiça do Rio bloqueou R$ 3,1 bilhões de bens de Cabral, do ex-secretário de Transportes e deputado federal Julio Lopes (PP), do ex-subsecretário de Turismo Luiz Carlos Velloso e de integrantes da diretoria da Riotrilhos, da Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp) e de cinco empresas. O bloqueio foi baseado nas investigações que apontaram fraudes no contrato de implantação da Linha 4 do metrô.

O atual governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), o deputado estadual Carlos Osório (PSDB) – ex-secretário estadual de Transportes – e o atual presidente da Agetransp, César Francisco Ferraz, também foram alvo de ação do Ministério Público para bloqueio de bens, mas a Justiça negou o pedido para incluí-los por considerar que os fatos apresentados não abrangem o período posterior à assinatura do Termo Aditivo 4, do qual participaram Pezão, Osório e Francisco Ferraz.

A decisão foi da juíza Priscila Fernandes Miranda Botelho da Ponte, da 6ª Vara de Fazenda Pública da Capital. “Havendo indícios de irregularidades dos envolvidos e evidenciado o prejuízo à administração, impõem-se as medidas necessárias para assegurar a futura reparação do dano, caso a obrigação venha a se confirmar”, justificou a magistrada em seu despacho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.