Cabral usa Lula para consolidar liderança de Paes

Governador e candidato do PMDB, que é líder nas pesquisas, jogaram pelada na Praia de Copacabana

Felipe Werneck, RIO, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2008 | 00h00

Apesar do tempo chuvoso, o último domingo de campanha do candidato favorito nas pesquisas à Prefeitura do Rio, Eduardo Paes (PMDB), terminou em disputa de pênalti com o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) na areia da Praia de Copacabana. Paes isolou a bola por cima do gol e Cabral chutou na trave esquerda. Em uma segunda tentativa, o candidato acertou o meio do gol e o governador deixou a bola entrar. Após a pelada, Cabral deu uma entrevista, ainda descalço, na qual citou seis vezes o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao tentar justificar o mau desempenho no futebol, Paes também citou o presidente e botou a culpa na bola."É que bola de futebol de praia é muito leve. E o goleiro (Cabral) esqueceu de me contar isso", disse. "Vamos sempre jogar entrosados. Vou usar um exemplo: a grande parceria do governador com o presidente começou no campo mais sagrado do mundo, o Maracanã, e o Lula também perdeu o primeiro pênalti e fez o segundo." A partida, disse, é a "consolidação dessa parceria, para fechar o ciclo completo" nas esferas federal, estadual e municipal. Frangueiro assumido, Cabral declarou: "Tem que deixar entrar (a bola). O meu esforço para agarrar o segundo (chute de Paes) foi igual ao que fiz com o presidente Lula (no Maracanã em 2007)". Ele também teria deixado a primeira bola passar, mas Paes "bateu forte, com maldade", comentou o governador. Cabral disse querer tratar o futuro prefeito do Rio como trata o presidente. "O que acontece entre mim e o Lula é mais que relação política, é relação de amizade", disse. "Essa camaradagem será traduzida na otimização de recursos." Adversário político do prefeito Cesar Maia (DEM), ele criticou a atual gestão municipal. Para ele, é uma "aberração que a prefeitura nunca tenha se envolvido na ampliação do metrô". Paes não quis comentar a arrancada do candidato Fernando Gabeira (PV) na reta final da campanha. "Estou muito satisfeito com as nossas condições. Todas as pesquisas apontam a gente crescendo, em primeiro lugar", disse. "As pessoas apostam muito na parceria, na percepção de que finalmente vamos ter os três níveis de governo trabalhando juntos. Aqui não tem outra bandeira política que não o interesse do Rio." O governador também disse que não falaria sobre segundo turno. "Quem vai escolher o adversário não somos nós, é a população. Qualquer especulação seria irresponsabilidade nossa e até um desrespeito com a população." Ultrapassada por Gabeira, agora o terceiro colocado nas duas últimas pesquisas apresentadas (leia mais nesta página), a candidata Jandira Feghali (PC do B) estava com um pequeno número de militantes em um quiosque da praia quando a turma de Paes e Cabral passou pela orla. "Não discuto quem vai para o segundo turno porque tenho certeza que eu vou."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.