Wilton Júnior|Estadão
Wilton Júnior|Estadão

Cabral reclama de área de visitas de Bangu 8 e pede espaço reservado para receber advogados

Em reclamação à Justiça, ex-governador afirma que estrutura da penitenciária está dificultando a elaboração de sua defesa

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2017 | 14h24

RIO - O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) reclamou à Justiça da falta de privacidade nas visitas que recebe de seus advogados, o que estaria trazendo dificuldades para a sua defesa. Ele está detido desde novembro na cadeia pública Pedrolino Werling de Oliveira, conhecida como Bangu 8. 

De acordo com o político, o único modo de comunicação possível entre ele e os advogados na penitenciária é o interfone de baias, "sendo que, em inúmeras visitas, apenas um, de quatro, tem funcionado". Além disso, a área de visitas tem barreiras físicas que impedem o manuseio em conjunto de documentos. 

"O quadro que se apresenta, portanto, opõe-se frontalmente aos direitos, tanto do acusado quanto dos patronos, de realizarem entre si entrevista pessoal e reservada e de ampla defesa", diz em petição entregue à 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pelos desdobramentos da Lava Jato no Rio. O documento, assinado pelo ex-governador, é de 18 de janeiro.

No documento, ele reivindica que um "local adequado" para entrevistas pessoais e reservadas. Também pede que possa, junto com seus advogados, manusear por meio de laptop o processo eletrônico, "com vistas à elaboração da defesa".

Tudo o que sabemos sobre:
Lava JatoSérgio Cabral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.