Cabral, Pezão e Paes estimularam 'traição' na convenção do PMDB, diz presidente do PT-RJ

Para Washington Quaquá, o trio também é responsável pela articulação de bastidor pelo apoio do partido a Aécio

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

13 Junho 2014 | 15h49

Rio - O presidente do PT-RJ, Washington Quaquá, acusou o ex-governador Sérgio Cabral, o governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes de comandarem, nos bastidores, a dissidência peemedebista que resultou na votação em peso do PMDB do Rio de Janeiro contra a reedição da aliança com a presidente Dilma Rousseff na convenção nacional do partido. Ele também acusa o trio de articularem o apoio do partido ao candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves.

Na convenção, o PMDB nacional realizada na última terça-feira, 10, aprovou a aliança com margem apertada, de 59% dos votos a favor.

"A traição é orquestrada pelo Cabral, o Eduardo Paes e o Pezão. O Palácio Guanabara está no comando. Você não faz um evento com 60 prefeitos sem que o governador esteja no comando", afirmou Quaquá, citando o almoço que reuniu, na quinta-feira, 5, 1.600 líderes de partidos aliados de Pezão no lançamento da chapa "Aezão", que une Aécio e Pezão, candidato à reeleição. "Os prefeitos não querem contrariar o governo do Estado, mas muitos deles vão fazer a campanha da Dilma", completou o petista.

Liderada pelo presidente regional do partido, Jorge Picciani, a dissidência peemedebista é uma resposta ao lançamento da candidatura do senador petista Lindbergh Farias ao governo do Estado, em oposição a Pezão.

O pré-candidato do PT acusa o governo Cabral de ter privilegiado a elite e esquecido os pobres. "Eles (os peemedebistas) têm medo da candidatura do Lindbergh. O (ex-presidente) Lula fez um acordo para que Lindbergh não fosse candidato na eleição passada, o que foi cumprido. Mas não valia para esta eleição. O PT vai fazer campanha com muita força e, quando a Dilma voltar a subir nas pesquisas, eles vão ficar com a brocha na mão", diz Quaquá.

Cabral, Pezão e Paes prometem apoio à reeleição de Dilma, mas não têm agido para evitar o avanço do movimento "Aezão". Eles culpam o PT-RJ pelo avanço da ala pró-Aécio. Na convenção nacional, Paes fez um discurso em defesa da manutenção da aliança nacional com o PT, mas cobrou reciprocidade dos petistas do Rio.

O presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Melo, ligado a Cabral e Pezão, reitera apoio à presidente, mas reclama do comportamento do PT-RJ. "Estou com Dilma, mas não aceito que o PT ataque o PMDB da maneira como tem feito", diz Melo.

Um dos políticos mais próximos do prefeito Eduardo Paes, o deputado Pedro Paulo (PMDB), ex-chefe da Casa Civil do município, também reitera o apoio à reeleição de Dilma, mas diz que "está difícil" segurar a rebelião peemedebista. "Votei pela manutenção da aliança com a presidente Dilma Rousseff, mas o recado está claro em relação à insatisfação do PMDB com o PT. Por mais que se fale da importância que a aliança com a presidente Dilma teve para o Rio, não tem eco na militância do partido. É difícil segurar a infantaria", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
PMDB Sérgio Cabral Dilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.