Cabral faz desabafo e diz que não muda combate ao crime no Rio

Preocupado com a onda deviolência no Rio de Janeiro nos últimos dias que provocoumortes de policiais e inocentes, o governador do Estado SérgioCabal fez um desabafo nesta quinta-feira, mas garantiu que nãovai mudar a política de enfrentamento adotada desde o começo desua gestão. "Que cidade é essa em que inocentes morrem, policiais sãometralhados? Que cidade é essa? É essa cidade que nósqueremos?", disse Cabral em uma solenidade de entrega de 97viaturas à polícia do Rio. Nesta quinta-feira, dois policiais militares foramexecutados com vários tiros de fuzis e metralhadoras no bairroda Lagoa, área nobre da cidade. Os PMs estavam dentro de umaviatura e não tiveram tempo de reagir. No mesmo dia, outra viatura da PM foi alvejada por tiros nobairro da Tijuca, na zona norte, mas ninguém se feriu. Nos últimos dias, vários casos de violência chamaram aatenção da sociedade fluminense. Recentemente um menino de 3anos foi morto por tiros efetuados por policiais queconfundiram o carro da mãe dele com um veículo usado porbandidos em fuga. Na segunda-feira, um administrador foi morto por disparosfeitos por PMs que trocaram tiros com um bandido quesequestrara o rapaz. O governador afirmou que apesar das baixas não vai recuarda política de enfrentamento. "Vamos continuar defendendo osinocentes e cidadãos. Vamos buscar não cometer erros", afirmouCabral. O Secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame,lamentou a execução dos policiais militares na Lagoa. "Quem provocou isso forma bandidos e criminosos que estãoacostumados a atirarem há décadas em quem quiserem e na horaque quiserem. Não estamos dando carta branca para matar. Apolícia treina para cumprir sua função constitucional", reagiuBeltrame.(Por Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.