Cabral diz repudiar citação a seu nome

Ex-governador diz que 'jamais indicou ou interferiu nas nomeações do governo federal'

ROBERTA PENNAFORT, Estadão Conteúdo/ Atualizado às 14:10

06 de setembro de 2014 | 12h29

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) divulgou nota neste sábado, 6, em que repudia o envolvimento de seu nome no esquema de corrupção na Petrobrás. Segundo a revista “Veja”, o nome de Cabral aparece nos depoimentos de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da empresa preso na operação Lava Jato, à Polícia Federal. Na nota, Cabral lembra que Costa já era diretor da Petrobrás quando ele foi eleito governador, em 2006.
 
“Durante 7 anos e 3 meses Sérgio Cabral jamais indicou ou interferiu nas nomeações do governo federal. Tampouco nas decisões gerenciais da Petrobrás. O ex-governador repudia a inclusão de seu nome em qualquer dos fatos supostamente relatados pelo ex-diretor”, afirma a nota enviada pela assessoria de imprensa do ex-governador.
 
Justificativa. O ex-governador do Rio afirmou, antes de divulgação da nota, por meio também de sua assessoria de imprensa, que a relação do governo com Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás preso na Operação Lava Jato, era “institucional”. 

Acusado de participar de um esquema de lavagem de dinheiro e corrupção na Petrobrás que teria movimentado R$ 10 bilhões, o ex-diretor da estatal se beneficiou de um acordo de delação premiada. Nos depoimentos diários que vêm prestando desde o dia 29 de agosto, em Curitiba, onde está preso, além de Cabral ele citou, conforme a “Veja”, o ex-governador de Pernambuco e ex-candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB), que morreu dia 13 de agosto, e a atual  governadora do Maranhão (PMDB), Roseana Sarney. Ele também mencionou pelo menos 32 deputados e senadores, além dos governadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.