Rodrigo Félix/Estadão
Rodrigo Félix/Estadão

Cabral diz que foi condenado após 'denúncia mentirosa' em delação

Ex-governador negou que tenha favorecido empresas doadoras e reconheceu que o crime de caixa 2 é 'um erro'

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2017 | 12h43

RIO - O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral disse que foi condenado à prisão em Curitiba pelo juiz Sérgio Moro partindo de uma “denúncia mentirosa” da Andrade Gutierrez. A afirmação foi feita em interrogatório na manhã desta segunda-feira, 10, conduzido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio. Segundo ele, “tem delator que distorce tudo”.

“Fui condenado em Curitiba por denúncia mentirosa da Andrade Gutierrez, uma denúncia que não fica de pé. É completamente estapafúrdio”, queixou-se Cabral.

Questionado sobre a prática de caixa 2 na arrecadação de campanhas, Cabral negou que tenha favorecido as empresas doadoras. O acusado defendeu que é possível constatar a disseminação da prática de doações ilegais na política brasileira através de depoimentos e denúncias divulgadas na imprensa.

“Reconheço que é uma distorção, que é um erro. Essas práticas políticas de caixa 2 foram disseminadas pelo Brasil por todos os partidos”, afirmou Cabral.

O ex-governador disse desconhecer os valores pagos por empresas citadas em depoimento por seu ex-assessor Ary Ferreira da Costa Filho. Costa Filho contou ter estado na sede do supermercado Prezunic e da cervejaria Itaipava para acompanhar o recolhimento de pagamentos de caixa 2 em espécie, que somavam mais de R$ 5 milhões de cada uma das empresas em cada uma das visitas.

“Eu me lembro do Prezunic e da Itaipava me apoiando em campanhas eleitorais. Não lembro dos valores. Mas nunca houve nenhum tipo de contrapartida”, declarou Cabral, afirmando que as empresas mencionadas nos processos envolvendo seu nome nunca tiveram nenhum privilégio.

O político reconheceu que entregou sobras de campanha a Costa Filho, mas que foram muito menores que os valores informados pelo ex-assessor à Justiça. Costa Filho contou nesta segunda-feira em depoimento à Justiça que recebeu entre R$ 9 e R$ 10 milhões de sobras de campanha do PMDB. Segundo Cabral, ele morava em Vila Valqueire, no subúrbio do Rio, quando se conheceram. Hoje, o ex-assessor é apontado como proprietário de apartamentos de alto padrão em Miami e na praia da Barra da Tijuca, além de carros de luxo, como um Camaro.

“Que eu tenha dado a ele algum tipo de apoio financeiro, certamente posterior à campanha, ok. Mas justificar essa emissão e compra desses imóveis, faça-me o favor, porque eu nunca soube disso”, declarou Cabral, sobre o volume que teria repassado ao assessor.

O ex-governador voltou a negar que recebesse 5% sobre os valores dos contratos fechados com as construtoras. “Nunca foi 5%, que 5% é esse? Que maluquice é essa? Que 5% é esse? Há colaborações, há apoios, reconheço”, disse ele, em depoimento.

O depoimento de Cabral, iniciado por volta de 11h10 da manhã, durou um pouco mais de uma hora. Hoje respondeu às acusações pelo crime de lavagem de dinheiro, resultado da Operação Mascate. O ex-governador volta a prestar depoimento na próxima quarta-feira, 12.

O interrogatório de sua mulher, Adriana Ancelmo, que estava inicialmente previsto também para esta segunda-feira, será conduzido na próxima quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.