Cabral aponta 'falta de consistência' em denúncia

Para o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, deputado Paulo Melo (PMDB), o que há até agora são 'conjecturas'

LUCIANA NUNES LEAL, Estadão Conteúdo

08 de setembro de 2014 | 19h54

Em conversa com aliados no fim de semana, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) apontou "falta de consistência" nas informações sobre denúncias feitas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa à Polícia Federal. Cabral, segundo a revista Veja, está entre os acusados de se beneficiarem de um esquema de pagamento de propina, por parte de empresas que têm contratos com a Petrobrás, a governadores e parlamentares. O ex-governador disse que não há qualquer dado concreto sobre as acusações.

Um dos políticos mais próximos de Cabral, o deputado Paulo Melo (PMDB), presidente da Assembleia Legislativa do Rio, afirmou que o que existe até agora são "conjecturas".

"É natural que esse tipo de notícia gere uma irritação, mas Cabral está muito tranquilo. O que existe até agora são conjecturas. O que o ex-diretor da Petrobrás disse? Que falava com governadores? A primeira coisa que tem que saber é o que exatamente foi dito por Paulo Roberto Costa. Até agora são apenas suposições. Cabral sempre deu liberdade total de decisão aos seus secretários, imagina se ia se meter em assuntos do governo federal. Não existe isso", disse Melo.

O presidente da Assembleia repetiu o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), candidato à reeleição, e disse que a chance de um possível efeito negativo na campanha do PMDB do Rio "é zero".

Em nota distribuída no sábado, 6, a assessoria de Cabral disse que o ex-governador "jamais indicou ou interferiu nas nomeações do governo federal, tampouco nas decisões gerenciais da Petrobrás". O texto citou que, "quando Sérgio Cabral foi eleito governador, em 2006, Paulo Roberto já era diretor da Petrobras". "O ex-governador repudia a inclusão de seu nome em qualquer dos fatos supostamente relatados pelo ex-diretor", diz a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
PETROBRASDELAÇÃOREPERCUSSÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.