Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Cabral admite que mulher recebeu anel de presente de Cavendish

Segundo reportagem do jornal 'O Globo', ex-governador do Rio pediu que dono da Delta pagasse joia avaliada em R$ 800 mil; empresário negocia delação

O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2016 | 22h33

RIO - O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) admitiu nesta quinta, 21, que sua mulher, Adriana Ancelmo, recebeu um anel de presente do empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Delta Construções. A informação foi divulgada em nota enviada ao Estado por sua assessoria, em resposta a matéria publicada no jornal O Globo. De acordo com o jornal carioca, o presente teria custado ao empresário 220 mil euros (cerca de R$ 800 mil) e foi dado quando Cabral exercia o cargo.

Segundo a reportagem, Cavendish teria relatado o caso à força-tarefa da Operação Lava-Jato no Rio e em Brasília. O objetivo seria fortalecer seu pedido de delação premiada, ainda não aceito. A versão, porém, é diferente da do ex-governador. A joia teria sido comprada em Mônaco, na Van Cleef & Arpels, famosa joalheria, na Place du Casino, a pedido de Cabral. Ele teria levado o amigo à loja, escolhido o anel e surpreendido Cavendish ao pedir que fizesse o pagamento. Prometeu ressarci-lo, o que não aconteceu.

"Sobre a matéria publicada hoje no O Globo, o ex-Governador Sérgio Cabral tem a esclarecer o seguinte: Em 18 de julho de 2009 foi realizado um jantar de aniversário da sua mulher Adriana em um restaurante em Mônaco.  Nesse jantar, o empresário Fernando Cavendish e a sua então esposa Jordana deram um anel de presente à aniversariante.  O valor do presente evidentemente não foi perguntado e era e continua sendo desconhecido”, justificou Cabral no texto.

A Delta tinha contatos milionários com o governo do Rio. A empresa recebeu, apenas entre 2009 e 2010, durante o governo Cabral, R$ 538 milhões do Estado. De 2000 a 2011, o patrimônio líquido da empresa passou de R$ 50 milhões a mais de R$ 1 bilhão.

Segundo o jornal carioca, o empreiteiro teria apresentado, como provas de que pagara o presente de Cabral à mulher, a nota fiscal da joia, o certificado de compra e o comprovante de pagamento com cartão de crédito. Também há uma foto de Cabral com Adriana, em um restaurante, na qual a mulher exibe o suposto presente em um dos dedos da mão esquerda.

Segundo o jornal, depois que Cabral e Cavendish romperam a amizade em2012, o anel foi devolvido ao empreiteiro por intermédio de um amigo do ex-governador, Paulo Fernando Magalhães Pinto. A parceria terminou depois que foi divulgada a informação de que a Delta usava empresas do bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para lavar dinheiro. O rompimento da amizade também foi confirmado por Cabral.

“Posteriormente, quando foram divulgadas as denúncias contra Cavendish envolvendo Carlos Cachoeira, o Estado acompanhou o Governo Federal na decretação da inidoneidade da Delta, motivo pelo qual o casal praticou o gesto de devolver o presente”, declarou no texto.

De acordo com a reportagem, o empreiteiro também contou ter dado uma Ford Ranger 2007, placa KXG 0628, de presente ao ex-governador. Para não despertar suspeitas, o veículo foi registrado em nome de Magalhães Pinto, homem de confiança de Cabral.  A assessoria afirmou que “o ex-governador utilizou algumas vezes um automóvel dessa marca de propriedade do seu amigo e então assessor Paulo Fernando Magalhães Pinto”, mas não confirmou que Cabral fosse o dono do veículo.

Cavendish disse ao Globo não poder dar entrevista a respeito da delação devido à sua situação judicial. Procurados, o Ministério Público Federal do Rio e a Procuradoria–Geral da República disseram que não iriam comentar o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.