Hélvio Romero|Estadão
Hélvio Romero|Estadão

‘Caberá a ele se defender e provar’, diz Alckmin sobre Capez

Governador ressaltou que ‘máfia da merenda’ foi descoberta por polícia do Estado e pede que ‘quem é inocente seja liberado, quem tiver responsabilidade seja punido’

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

16 Janeiro 2018 | 12h46

Depois de o Ministério Público denunciar o deputado estadual Fernando Capez (PSDB), o governador Geraldo Alckmin disse, nesta terça-feira, 16, que “caberá a ele se defender e provar”. Ex-presidente da Assembleia Legislativa em 2015 e 2016, Capez foi acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo que ficou conhecido como “máfia da merenda”.

++ Fernando Capez levou propina sobre suco de laranja da merenda, diz procurador

++ Ex-chefe de gabinete da Educação de Alckmin é denunciado por fraude na merenda

“Aberta a denúncia, caberá a ele se defender e provar. O que é importante destacar desse episódio foi que o governo do Estado descobriu”, disse o governador, em evento da secretária de Educação na manhã desta terça-feira. O deputado, mais cedo, refutou enfaticamente as acusações: “O que não existe não pode ser provado”.

“Nós descobrimos, nós apuramos, nós denunciamos. O deputado Fernando Capez tem dito que ele não tem nenhum envolvimento com isso, que o nome dele foi usado indevidamente e o importante é que isso se esclareça: quem é inocente seja liberado, quem tiver responsabilidade seja punido”, completou.

++ ‘Concorrente não se escolhe’, diz Alckmin sobre Lula

O secretário da Educação, José Roberto Nalini, que também esteve presente no evento, comentou brevemente o caso: “A secretaria é vítima, ela foi a maior interessada na apuração”. 

Capez foi denunciado ontem pelo procurador-geral de São Paulo, Gianpaolo Smanio, na Operação Alba Branca, deflagrada em 2016 para apurar desvios no fornecimento da merenda escolar. A Procuradoria cobra de Capez, lobistas e um representante comerical da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (COAF) R$ 2,3 milhões, valor equivalente ao dobro da propina que eles teriam recebido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.