Bush quebra protocolo e dança com as crianças de ONG

Em visita à ONG Meninos do Morumbi, na tarde desta sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, se mostrou "uma pessoa humana, carinhosa e acolhedora", segundo relatou João Laurentino, coordenador de projetos educacionais da ONG.Bush quebrou todos os protocolos e não ficou sentado assistindo às crianças cantarem e dançarem na sua frente. Ele levantou e pegou o ganzá (tipo de chocalho) de um dos meninos, tocou e dançou Brasileirinho com os alunos. A apresentação durou cerca de 20 minutos.Laura, esposa de Bush, não ficou para trás. Enquanto as crianças dançavam forró, ela aproveitou para ensaiar uns passos. E também dançou com as crianças. Condoleezza Rice, secretária de Estado dos EUA, deu uma sambadinha, mas ´pagando menos mico´ do que Laura.Laurentino disse que a visita do presidente a ONG é resultado de mais de dez anos de trajetória da entidade promovendo ações sociais em São Paulo, ganhando vários prêmios nacionais e internacionais.O coordenador disse que o Bush não tocou no tema etanol, mas discorreu sobre projetos sociais no Brasil e nos EUA, mostrando familiaridade com a causa. Bush dirigiu-se as crianças dizendo que todas elas têm direito à diversão e à família. "Todas as pessoas do mundo tem uma coisa em comum: pertencem a família de Deus. Eu sei que no Brasil e em outras partes do mundo há gente passando necessidades, e o Basil precisa saber que os Estados Unidos se preocupam com elas", teria dito Bush, segundo Laurentino.Emocionado, Laurentino contou que Bush se sentiu a vontade com as crianças, e que a visita foi um momento de muita alegria. "Ele nem parecia o presidente dos Estados Unidos." Durante a visita, Bush manteve uma mesa redonda com alguns executivos de companhias americanas envolvidas em movimentos sociais, que buscam resgatar pessoas, dando condições de treinarem e conseguirem uma profissão ou terem um estudo na vida. Ele conversou com empresários por cerca de 30 minutos, procurando mostrar que "considera importante ações deste tipo", e que as empresas estavam agindo corretamente, com transparência e correção. Um dos empresários presentes foi o vice-presidente do Conselho de Administração da Câmara Americana de Comércio(Amcham) e também presidente da Becton & Dinckson, Geraldo Barbosa, envolvido no projeto Meninos do Morumbi e no Favela Paraisópolis, também no Morumbi. Barbosa considerou o encontro interessante, e ficou admirado com o interesse do presidente Bush sobre as ações sociais de companhias americanas no País.A comitiva norte-americana deixou a sede da ONG às 17h37. Em seu último compromisso em São Paulo, Bush permaneceu no local por aproximadamente uma hora, mas o bloqueio nos arredores começou a ser feito por volta do meio-dia. A partir desse horário, os moradores da região já tinham dificuldades para entrar com carros em uma área de 1o quarteirões que ficou interditada.Desde às 15 horas, o acesso de pedestres foi barrado e por volta das 15h30, nem mesmo moradores a pé, foram autorizados a cruzar as barreiras para chegar às suas residências. Em função desse esquema, pouquíssimos manifestantes consideram chegar perto da comitiva norte-americana.(Colaboraram Clarissa Oliveira e Milton F.da Rocha Filho)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.