Buscas no Rio se aproximam de área que concentrava mais vítimas

Defesa Civil diz estar mais perto do local onde curso era realizado; mortes já chegam a 11.

BBC Brasil, BBC

27 de janeiro de 2012 | 15h42

As buscas nos escombros dos três prédios que desabaram no Rio se aproximaram, na tarde desta sexta-feira, da área onde um curso estava sendo realizado na hora do acidente, e que podia concentrar mais vítimas, de acordo com a Defesa Civil.

Um curso de informática era realizado no prédio de 20 andares quando a construção desabou, na noite de quarta-feira. Até o meio-dia desta sexta, a prefeitura do Rio afirma ter retirado 60% dos escombros, o que equivale a 30 mil toneladas de entulho.

Na quinta, as autoridades do Rio de Janeiro disseram ter "esperanças" de encontrar sobreviventes entre os escombros dos três prédios que ruíram no centro da cidade.

Em uma entrevista coletiva, o subsecretário de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, Jerri Andrade, disse que o resgate irá se prolongar pelos próximos dias. "O trabalho de busca continua. Temos esperanças de encontrar pessoas com vida", disse.

Onze mortes foram confirmadas, sendo cinco homens e quatro mulheres; o sexo de dois dos corpos ainda não foi identificado. Dezesseis pessoas continuam desaparecidas, segundo a Agência Brasil. O governo estadual decretou luto oficial de três dias em memória das vítimas.

O prefeito Eduardo Paes informou também que o prédio maior, de 18 andares, não tinha histórico de rachaduras. A construção ganhou alvará de funcionamento em 1940. Os dois outros edifícios, de dez e cinco pavimentos, são de 1938.

A Defesa Civil informou também que não há sinais de vazamento de gás no local e que a fumaça que pode ser vista no local é resultado da queima de papel, carpete e outros materiais combustíveis, acumulados entre os escombros.

Os prédios que desabaram eram vizinhos ao Teatro Municipal, na Cinelândia. A bilheteria do teatro, que fica atrás da casa de concertos, foi atingida por destroços.

Dezenas de bombeiros e paramédicos acompanham os trabalhos de resgate. Devido ao forte cheiro de queimado no local, muitas pessoas usam máscaras protetoras.

Os escombros que caíram sobre a rua 13 de Maio, em frente aos edifícios, já estão sendo retirados.

Embora o trânsito no entorno dos prédios esteja prejudicado, as principais vias de acesso ao centro do Rio apresentam normalidade.

Baixa ocupação

O desabamento ocorreu por volta das 20h30 da última quarta-feira, quando os edifícios comerciais estavam com baixa ocupação, o que teria reduzido bastante o número de possíveis vítimas.

Segundo as informações iniciais, um dos edifícios, que abrigava escritórios de advocacia, passava por reformas em dois dos seus andares.

Um dos prédios abrigava um restaurante no andar térreo, mas não se sabe ainda se havia muitas pessoas no local no momento do desabamento.

Inicialmente especulou-se sobre possíveis danos a prédios vizinhos, incluindo o Teatro Municipal, mas vistorias descartaram problemas.

O incidente ocorre pouco mais de três meses após uma possível explosão de gás em um restaurante da cidade ter deixado três pessoas mortas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.