Busca por sobreviventes continua com ação de bombeiros e criação de cadastro

Comandante do Corpo de Bombeiros afirma, porém, que é 'muito difícil' encontrar pessoas vivas em áreas de deslizamentos.

João Fellet, BBC

17 de janeiro de 2011 | 23h12

No sexto dia após os deslizamentos de terra que causaram mais de 600 mortes na região serrana do Rio de Janeiro, o Corpo de Bombeiros continua em busca de desaparecidos, mas afirma que as chances de encontrar sobreviventes são cada vez menores.

"Trabalhamos com a hipótese de que todos os desaparecidos estejam vivos", diz à BBC Brasil o coronel Pedro Marco Machado, comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio.

No entanto, Machado pondera que as chances de haver sobreviventes em regiões de deslizamento são pequenas.

"Uma coisa é achar sobreviventes quando há desabamento parcial de casas. Outra é ter sobrevivente em deslizamentos - aí fica muito mais difícil", afirma.

A prefeitura de Teresópolis diz que há 36 pessoas sumidas no município; em Petrópolis, são 40. Nova Friburgo não tem dados sobre desaparecidos.

Para auxiliar a busca por essas pessoas, a Promotoria do Rio implantou em Nova Friburgo e em Teresópolis um cadastro chamado Programa de Identificação de Vítimas (PIV).  

Veja também:

linkEm Teresópolis, Prefeitura briga com Igreja e Cruz Vermelha por doações

linkDescoordenação prejudica ajuda no Rio

linkBrasil deve ter sistema de alerta contra desastres em 4 anos

linkGoverno admite à ONU despreparo em tragédias

listaVeja como fazer doações para moradores do Rio

blog Gabeira: Notas para depois da emergência

mais imagensGALERIA - Grandes imagens da tragédia

mais imagensGALERIA 2 - Imagens de destruição e desespero

Segundo Rogério Scantamburlo, procurador de Justiça e coordenador do PIV, o Ministério Público do Estado pretende implantar o sistema em toda a região serrana.

Cicatrizes. Ele diz à BBC Brasil que, desde o último domingo, cerca de 300 pessoas cadastraram no sistema dados de desaparecidos, como idade, cor, cicatrizes, tatuagens e fraturas.

Scantamburlo afirma que as informações serão usadas para identificar pessoas levadas a abrigos ou hospitais e serão especialmente úteis na localização de crianças pequenas, doentes mentais ou pacientes gravemente feridos, incapazes de se comunicar.

Os dados também servirão para identificar cadáveres em necrotérios ou corpos que foram sepultados sem que tivessem sido reconhecidos.

Quando as informações disponíveis não forem suficientes, diz Scantamburlo, exames de DNA poderão ser empregados na identificação das vítimas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.