Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Bumlai não era tão amigo assim', afirma presidente do Instituto Lula

Okamotto diz que nem ele próprio tinha 'passe livre' no Planalto, como a Lava Jato atribui ao pecuarista

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2015 | 16h35

São Paulo - Horas após a Polícia Federal deflagrar a 21ª fase da Operação Lava Jato, batizada Passa Livre, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, tentou minimizar a proximidade entre o pecuarista José Carlos Bumlai, preso pela PF, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O Bumlai frequentava as festas e aniversários, mas não era 'aquele' amigo do Lula que todo mundo está falando", disse Okamoto. 

O presidente do Instituto Lula é um dos colaboradores mais próximos do ex-presidente há mais de 30 anos e disse ser difícil acreditar que Bumlai tivesse passe livre no Palácio do Planalto durante o governo do petista.

"Isso foi amplamente divulgado pela imprensa mas acho difícil de acreditar. Eu sou mais amigo do Lula do que o Bumlai e precisava me identificar toda vez que ia ao Palácio. Essa história não é crível", afirmou Okamotto. 

Segundo ele, o Instituto ainda não tem uma avaliação sobre a nova fase da Lava Jato e está acompanhando o desenrolar dos acontecimentos pela imprensa. Indagado se Lula é o alvo da PF, ele respondeu: "acho que não. O que a PF está fazendo é investigar. É natural. Cada um sabe o que fez mas a gente não sabe o que as outrras pessoas fazem". 

Okamotto foi evasivo ao comentar se Bumlai estaria usando indevidamente o nome do ex-presidente paras fazer negócios. 

"Quem usa o quê? O jornalista usa a fonte. A polícia usa a testemunha. A pessoa que quer abrir portas usa o nome de uma pessoa importante", disse o presidente do Instituto Lula. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.