B.Sá e Domiciano Cabral vão responder a processo de cassação

A Mesa da Câmara aprovou nesta quarta-feira, 2, o pedido de cassação dos deputados B.Sá (PSB-PI) e Domiciano Cabral (PSDB-PB), licenciado do mandato, acusados de terem negociado o recebimento de propina de construtoras em troca de emendas ao Orçamento da União. Os dois teriam sido flagrados em conversas telefônicas gravadas pela Polícia Federal com autorização judicial. Com a decisão da Mesa de aprovar o parecer da corregedoria da Câmara, o processo vai seguir para o Conselho de Ética da Casa.A Mesa decidiu também pedir todos os documentos em poder da Polícia Federal sobre os dois casos. Integrantes da Mesa ficaram irritados com informações de que a PF não havia enviado todos os trechos das gravações telefônicas envolvendo os dois deputados à Câmara. Nas conversas, B. Sá estaria supostamente negociando propina com executivo da construtora OAS para destinar recursos para obras da barragem de Poço Marruá, no Piauí. Domiciano Cabral estaria negociando propina com a construtora Cojuda, de propriedade de seu sogro, Julião Medeiros, para liberação de pagamento para obras da empreiteira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.