DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Bruno Araújo: do impeachment de Dilma ao projeto de Doria

Quem é o novo presidente do PSDB; ex-ministro assumiu o comando da sigla

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2019 | 10h00

Eleito presidente nacional do PSDB nesta sexta-feira, 31, o ex-ministro das Cidades e ex-deputado Bruno Araújo foi um dos principais líderes do movimento pelo impeachment de Dilma Rousseff no Congresso Nacional. Ao lado de outros jovens parlamentares, ele integrou o grupo dos chamados “cabeças pretas” –  ala do partido que entrou em conflito com os “cabeças brancas”,  a parte da direção partidária que rejeitava a tese de pedir o ‘Fora Dilma’.

No dia da votação do impeachment na Câmara dos Deputados, Araújo ganhou visibilidade nacional ao dar o voto que selou o destino de Dilma, o de número 342. Durante a campanha presidencial, o ex-ministro voltou a discordar do alto comando tucano que escolheu Jair Bolsonaro, e não o PT, como alvo central da campanha presidencial de Geraldo Alckmin.

Em Pernambuco, sua base, Araújo foi tragado pela onda bolsonarista e perdeu a disputa pelo Senado. Em 2019, o ex-ministro se aproximou do governador João Doria e aderiu ao presidencial do tucano, que o ungiu presidente da sigla.

Advogado, Araújo foi deputado estadual em Pernambuco por dois mandatos e federal por três. Em maio de 2016, licenciou-se da Câmara dos Deputados para assumir o Ministério das Cidades, no governo Michel Temer. Bruno Araújo nasceu em Recife em março de 1972. É casado e pai de duas filhas, Maria Beatriz e Maria Clara. É advogado formado pela Faculdade de Direito do Recife.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.