Brizola quer convidar Carter para observar as eleições

O presidente do PDT, Leonel Brizola, pretende convidar o ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, para ser observador das eleições brasileiras. "O povo brasileiro está indefeso perante suas elites e sua imprensa", justificou Brizola, que coloca as eleições de outubro sob suspeita. Segundo ele, quando foi candidato a governador do Rio de Janeiro, teria ocorrido uma tentativa de fraude promovida pelo então Serviço Nacional de Informações (SNI). Atualmente, lembrou Brizola, a Justiça Eleitoral está sendo auxiliada pelo Cepesp, que é um departamento da Agência Brasileira de Informações, que sucedeu o SNI. Ele reclamou também o fato de a Justiça Eleitoral recusar a fiscalização das eleições por alguma entidade internacional idônea. Para o presidente do PDT, que participou hoje de seminário sobre voto eletrônico, na Câmara dos Deputados, ainda há tempo, pelo menos, de o Tribunal Superior Eleitoral fazer um esforço e implantar o sistema de impressão de votos em todas as urnas. O presidente do PTB, deputado José Carlos Martinez (PR), apoiou as críticas de Brizola às urnas eletrônicas. Ele argumentou que países mais modernos do mundo realizaram eleições recentemente e nenhum usou urnas eletrônicas.Brizola disse também que um eventual apoio do PFL a candidatos da Frente Trabalhista (PDT-PTB) não dará direito aos pefelistas de intervirem nos programas da Frente. "Se eles querem ajudar a empurrar o caminhão, venham. Mas não vamos dar a direção, o acelerador ou o freio a eles", disse. Ele lembrou que, quando se candidatou a governador do Rio Grande do Sul, foi apoiado por Plínio Salgado, líder do Movimento Integralista. Martinez acrescentou que uma eventual aliança com o PFL ocorrerá somente nos Estados onde eles tiverem candidatos comuns com os trabalhistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.