Brizola ironiza debandada no PDT-RS

O ex-governador Leonel Brizola ironizou a iniciativa de uma filiação em massa, no PT gaúcho, de militantes históricos do PDT no Estado. O movimento vem sendo organizado pelo ex-presidente regional do PDT Sereno Chaise, que deixou o partido em setembro. "Não existe os sem-terra, os sem-teto? Eles são os sem-voto", disse Brizola. Atual vice-presidente do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul), Chaise e um grupo de cerca de 400 pedetistas assinam a ficha de filiação ao PT no dia 18 de março, numa solenidade na Câmara Municipal de Porto Alegre que contará com a presença de Luiz Inácio Lula da Silva. Brizola nega, porém, que haja um movimento de esvaziamento da sigla presidida por ele nacionalmente. "Não haverá debandada e o partido não ficará desestruturado. Esse grupo só está fazendo isso porque não quer perder seus cargos no governo", afirmou, referindo-se ao próprio Chaise e aos secretários estaduais de Turismo, Milton Zuanazzi e Minas e Energia, Dilma Rouseff, além do ex-secretário extraordinário para o Mercosul, Renan Kurtz."Eu respeito muito o governador Brizola, pela sua história, por sua conduta, mas hoje eu o olho como aquele avô que caducou. A gente respeita, mas não ouve mais os conselhos", disse Zuanazzi, que em conjunto com os outros dois secretários e com o vice-presidente do Banrisul - todos indicados pelo PDT gaúcho para o governo Dutra - pediram a desfiliação do partido para apoiar Genro ainda durante o primeiro turno das eleições municipais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.