Brizola insiste em aliança Itamar/Ciro

O presidente nacional do PDT, Leonel Brizola, reuniu-se nesta terça-feira com o governador de Minas, Itamar Franco (PMDB), em Belo Horizonte, e tentou convencê-lo, mais uma vez, a compor uma aliança com o candidato do PPS à presidência, Ciro Gomes, apoiado pelos pedetistas.O convite, de acordo com Brizola, vale tanto para o caso de Itamar conseguir ser candidato do PMDB ao Palácio do Planalto - ele permanece disposto a disputar as prévias da sigla, em 17 de março -, quanto para a hipótese de ele ver frustrada a tentativa e adotar outro plano político, como, por exemplo, a busca pela reeleição em Minas."Desejamos que o governador seja bem-sucedido e, se isso acontecer, já combinamos: sentaremos à mesa para conversar. Aquele grupo de partidos que está com Ciro Gomes, e o governador com as forças que ele conseguir reunir", afirmou.No ano passado, antes do prazo final para as definições partidárias, Brizola convidou Itamar insistentemente para ingressar no PDT, sigla pela qual ele teria garantida a candidatura à presidência. Na época, houve até a proposta de que o governador mineiro encabeçasse uma chapa conjunta com o PPS, tendo Ciro como vice.Itamar optou, porém, por permanecer no PMDB, acreditando na hipótese de ser representante do partido na corrida presidencial. Brizola, no entanto, acha "difícil" que o governador obtenha sucesso, diante das supostas interferências que o PMDB estaria recebendo do governo federal."Há uma luta interna, a interferência indevida do governo federal, do atual presidente da República, para impedir a candidatura do governador Itamar Franco, e isso esta caminhando para uma decisão, logo, logo", disse o pedetista. Além disso, segundo Brizola, o PMDB teria se tornado "uma espécie de mandarinato, com mandarins pelo País inteiro, cada um assumindo compromissos de acordo com suas conveniencias locais". Itamar manteve silêncio após o encontro.Após a conversa com Itamar, Brizola, que busca um palanque forte para o candidato do PPS em Minas, o que se viabilizaria com o apoio do governador, atacou os dois principais oponentes de Ciro Gomes entre os representantes da oposição na corrida presidencial. Brizola disse que o governador fluminense e candidato do PSB, Anthony Garotinho, estaria isolado e prestes a atirar a toalha."Eu acho que ele vai desistir porque está isolado, não tem mais niguém, a não ser os remanescentes do antigo PSB", disse. "Porque não sei como um partido socialista pode apoiar um homem como ele e se reunir com o bispo Edir Macedo", completou.O outro alvo de Brizola foi o pré-candidato petista Luís Inácio Lula da Silva - que, pelo menos no momento, está mais próximo de receber um eventual apoio de Itamar, caso o governador não dispute a presidência. "O Lula está costeando o alambrado", afirmou. "Quando um boi começa a costear o aramado, ele vai para lá, para cá, até que encontra um buraco pra passar para o outro lado, que é o que ele quer", acrescentou, referindo-se ao "namoro" entre Lula e o Partido Liberal do senador mineiro José Alencar, convidado a ser vice da chapa petista. "É muita a sua aproximação com o neoliberalismo."Brizola informou ainda que na próxima quinta e sexta-feira haverá, em Brasília, reuniões das bancadas e de dirigentes dos três partidos que estudam uma aliança em torno de Ciro Gomes: o PPS, o PDT e o PTB. Nos encontros, serão discutidos pontos nos quais Brizola espera haver consenso, como o repúdio à permissão para a entrada de 30% de capital estrangeiro nas empresas de comunicação do País e às propostas de "mutilação" da CLT .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.