Brizola estuda medidas judiciais contra PT

O presidente nacional do PDT, Leonel Brizola, afirmou hoje, em Porto Alegre, que estudará medidas judiciais contra o PT pelo que ele define como "aliciamento" de nomes do partido dele. Brizola diminuiu a importância da saída de filiados da legenda, e garantiu candidatos próprios no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul como prova de fortalecimento. Ele tenta evitar prévias para escolha do comando gaúcho, por temer especulação de que a sigla está rachando. Brizola atacou o PSB e, mais uma vez, o governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PSB), dizendo que ele desmantelou o PT no Estado. "Ao incorporar Garotinho nos seus quadros, o PSB deu mais um passo para a direita; assumiu de corpo inteiro a tendência irresistível para a direita", afirmou. Brizola quer o prefeito de Niterói, no Grande Rio, Jorge Roberto Silveira (PDT), candidato a governador em 2002, e garante um pedetista para disputar no Rio Grande do Sul. Brizola desdenhou os dissidentes gaúchos, dizendo que não significam muito para a agremiação. "São aparelhistas, de correntes radicais, não são históricos, não dá para confundir com os trabalhistas", disse. "José Vicente (Brizola, o filho, que assumiu um cargo no governo estadual na terça-feira) nunca foi um militante, é inexperiente politicamente e está sendo usado para me agredir." O presidente do PDT disse que está preocupado com a atuação de "aliciamento" do governo petista contra o partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.